Última hora

Última hora

Futebol espanhol em guerra

A paralisação do futebol em Espanha a partir de 16 de maio colocaria em causa as duas últimas jornadas da Liga espanhola

Em leitura:

Futebol espanhol em guerra

Tamanho do texto Aa Aa

O futebol espanhol avança para uma greve contra a nova lei de direitos televisivos. É uma guerra aberta pela repartição do dinheiro no futebol.

Point of view

"Se tiver que haver greve que haja e se querem suspender a competição irão de férias mais tarde, mas não vamos submeter-nos à chantagem da Federação" - Javier Tebas, presidente da liga espanhola

A Junta Diretiva da Federação (RFEF – Real Federação Espanhola de Futebol) decidiu convocar greve no futebol para dia 16 de maio, em protesto contra a nova lei de venda dos direitos televisivos de futebol aprovada pelo Governo espanhol.

O presidente do sindicato dos jogadores (AFE – Associação de Futebolistas Espanhóis), Luis Rubiales aliou-se à Federação:

“Acha que estes jogadores que estão aqui hoje têm necessidade de chegar a esta situação? Estão aqui porque na reunião de capitães da AFE concordámos que qualquer mudança seria em favor do mais fraco: para o segundo B, para a segunda divisão e também para eles.”

O sindicato dos futebolistas e a Federação estão em guerra contra a Liga, os clubes e o governo.

A RFEF contesta a repartição dos direitos televisivos e da fiscalidade que lhes é aplicada, e ainda a extinção das receitas das apostas.

A Liga de Futebol Profissional, que gere os dois principais campeonatos, interpôs ações legais contra a decisão da RFEF, apontando a nulidade formal e legal da decisão da federação, e convocou os clubes para uma assembleia-geral extraordinária na próxima segunda-feira.

A nova lei determina que 90% do dinheiro recebido dos direitos televisivos reverte para os clubes da primeira divisão e 10% para os da segunda divisão. 50% do que se ganhar da venda centralizada dos direitos será dividido entre os 20 clubes da primeira divisão. Uma fatia de 25% será repartida de acordo com os resultados das últimas cinco temporadas e outros 25% pelo critério de notoriedade.

Os jogadores exigem uma prepartição de direitos televisivos mais equitativa. O esquema de distribuição que propõem seria mais próximo daquele praticado na Liga francesa, segundo o qual 65% vai para a Primeira Divisão e a fatia restante para a Segunda.

A paralisação do futebol em Espanha a partir de 16 de maio colocaria em causa as duas últimas jornadas da Liga espanhola, a 17 e 23 de maio, que incluem o jogo entre o Barcelona e o Atlético de Madrid, e a final da Taça do Rei – a partida Barcelona-Athletic Bilbau no Camp Nou, a 30.