Última hora

Última hora

Reino Unido: 7 curiosidades das eleições de 7 de maio

Entre elas, o "tweet" de vitória do nariz no olho; o morto que 113 pessoas queriam eleger; e o mais jovem deputado britânico desde, imagine... o século XVII

Em leitura:

Reino Unido: 7 curiosidades das eleições de 7 de maio

Tamanho do texto Aa Aa

O dia 7 de maio ficou marcado por uma noite de emoções fortes no reino de Sua Majestade. As projeções avançadas nos meses anteriores para as Eleições legislativas do Reino Unido anteviam equilíbrio entre os dois principais partidos, o Conservador e o Trabalhista, mas, feitas as contas, o grupo liderado por David Cameron “goleou” e o de Ed Miliban acabou nas ruas da amargura, à procura de um novo líder. A afirmação dos “nacionalistas” escoceses, de Nicola Sturgeon, foi outra das revelações destas eleições, mas há outros episódios dignos de registo. Selecionámos sete.

1: Existe uma grande diferença entre o número de votos conseguido pelos partidos e o peso da representação parlamentar que vão ter.

  • Isto acontece porque no Reino Unido existe uma fase denominada “First Past the Post” (FPTP), que significa algo como escrutínio uninominal maioritário. Os candidatos a deputados candidatam-se por uma determinada região ou distrito, denominado em inglês “constituencies” e que se podem entender como círculos eleitorais. Os eleitores votam numa pessoa, o candidato, e não num partido ou no líder de um partido (a menos que este seja o candidato). O vencedor de cada círculo eleitoral é eleito para o Parlamento. Este sistema faz com que partidos cujos apoiantes estão espalhados pelo país acabem por, regra geral, não conseguir vencer em nenhum círculo específico. Foi o caso do SNP, pela positiva na escócia, e do UKIP, pela negativa.

2: O Partido Liberal Democrata esperava um mau resultado. De facto, foi bem pior que isso.


O antigo líder liberal democrata Paddy Ashdown, em direto na televisão, prometeu comer o próprio chapéu se o respetivo partido tivesse resultados tão maus quanto as sondagens indicavam, isto é, a conquista de 10 assentos. De facto, ficou-se pelos oito. Mas Ashdown declinou cumprir a promessa. Não sabemos se foi para dar razão ao eleitorado.

3: Um dos maiores vencedores nem sequer era candidato


Titulamos este episódio no masculino, mas na verdade falamos de uma mulher. Uma mulher do norte. Nicola Sturgeon, a líder do Partido Nacionalista da Escócia, é a primeiro-ministro das “high lands”, as terras altas da Grã-Bretanha, por isso não concorreu a Westminster. Como se pode ver nesta foto, Nicola era uma das pessoas mais felizes nesta noite eleitoral britânica.


4: Os pequenos, pequenos continuam


Uma das previsões que se confirmou foi a relativa aos pequenos partidos. O “anarquista” Class War somou cerca de 500 votos em todo o reino. O “satírico” Monster Raving Looney, fundado em 1983 pelo malogrado músico David Stuch, conquistou 3500 votos. O Yorkshire First, por fim, quase chegou aos 13.000.

5: O mais jovem deputado britânico desde 1667


Uma vez mais, um título no masculino para destacar uma mulher. No caso, uma jovem estudante de 20 anos da Universidade de Glasgow. Chama-se Mhairi Black — ela própria pronuncia o primeiro nome como “Mary” — e foi a responsável por derrotar o candidato “trabalhista” Douglas Alexander no círculo eleitoral escocês de Paisley e Renfrewshire South. Conseguiu 23.548 votos contra 17.854 do rival e grande favorito. Veja um dos vídeos de campanha de “Mary” Black:

6: David Cameron ganhou mas não evitou ser alvo de “chacota”. Porquê?


O “tweet” da vitória do primeiro-ministro reeleito…

Exceto, claro, no pormenor que Cameron parece querer enfiar o nariz no olho da mulher. Ups!

7: Mais de 100 eleitores votaram num candidato morto


Aconteceu no círculo eleitoral de Hampstead e Kilburn. O antigo concorrente do Festival da Canção da Eurovisão Ronnie Carrol, de 80 anos, morreu a 13 de abril, poucos dias depois de ter visto o nome uma vez mais inscrito nos boletins de voto. Concorria como independente. Depois de ter conseguido 29 em 2008, o único britânico a concorrer na Eurovisão em dois anos consecutivos (1962 e 1963) somou agora, depois de morto, 113 “cruzinhas”, num círculo ganho pelo “trabalhista” Tulip Siddiq, com 1138 votos.


Fechamos com uma montagem de vídeo elaborada pela cadeia de televisão britânica Sky News e partilhada nas redes sociais. Se até aqui, não esboçou um sorriso com as nossas 7 curiosidades, aqui uma gargalhada é garantida face a estas “coisinhas sexys”:

Who could get it on after #GE2015? Watch our #GeneralAffection song to find out.Full election coverage on Sky News, May 7th from 9pm.

Posted by Sky News on Quinta-feira, 30 de Abril de 2015