Última hora

Última hora

Reino Unido: Cameron antevê "duras" negociações com a União Europeia

Quatro dias após ter sido reeleito com maioria absoluta, primeiro-ministro britânico apresentou o executivo para os próximos cinco anos em Westminster

Em leitura:

Reino Unido: Cameron antevê "duras" negociações com a União Europeia

Tamanho do texto Aa Aa

David Cameron reuniu-se esta segunda-feira, em Westminster, com os novos deputados do Partido Conservador eleitos nas legislativas da última quinta-feira. Antes, o primeiro-ministro britânico foi questionado pelas muito aguardadas negociações com a União Europeia. “Temos um mandato. Vai ser duro, mas nós temos um mandato”, sublinhou o chefe de Governo reeleito.

Point of view

O primeiro-ministro Cameron refrescou a legitimidade e tem internamente mais autoridade para defender as suas ideias para a Europa

No horizonte de David Cameron estará já a proposta europeia apoiada por França, Alemanha e Áustria de criar um novo sistema de quotas para distribuir pelos “28” os milhares de imigrantes que continuam a chegar à Europa através do Mediterrâneo. A Itália tem sido uma das portas de entrada privilegiadas pelos clandestinos e, por isso, Roma insiste por mais ajuda da UE para gerir o problema. O Governo britânico tem-se mostrado resistente a abrir as fronteiras a mais emigrantes não europeus.

David Cameron colocou a ligação do Reino Unido à UE no topo das prioridades para o novo mandato e está a planear um referendo para 2017 para aferir a vontade dos eleitores em manter-se como um dos “28”. Em declarações à BBC Radio, Durão Barroso considerou que o chefe de Governo britânico tem agora “melhores condições de ter êxito.”

“O primeiro-ministro Cameron refrescou a legitimidade e tem internamente mais autoridade para defender as suas ideias para a Europa”, defendeu o ex-comissário Europeu, que se mantém próximo dos principais líderes europeus e considera que estes estão abertos a “aceitar algumas das preocupações e pontos de vista defendidos pelo Reino Unido”. Mas o social-democrata português avisou que será difícil a Londres fazer passar entre os “28” a proposta de prolongar o embargo do acesso dos migrantes aos subsídios sociais.

Barroso sugeriu ainda a Cameron, nesta entrevista, que seria melhor “discutir de forma informal com as instituições e os parceiros estratégicos” as propostas que pretende apresentar.

As caras do novo executivo britânico

Reeleito pela primeira vez com maioria absoluta no parlamento britânico, o primeiro-ministro aproveitou a presença em Westminstar dos novos deputados “conservadores” para a tradicional foto de família.

A manhã desta segunda-feira foi ainda aproveitada para dar a conhecer mais alguns membros do novo executivo “tory” (termo inglês que designa a força política antecessora ao Partido Conservador e pelo qual é ainda conhecido o partido).

Amber Rudd vai suceder na liderança do Ministério da Energia e Alterações Climáticas a Ed Davey. Sajid Javid sucede no Ministério do Comércio a Vince Cable. Os dois ministros de saída fazem parte do Partido Liberal Democrata (PLB), um dos grandes derrotados das legislativas de 7 de maio.

Priti Patel assume a pasta do Emprego, John Whittingale a da Cultura, Desporto e Media. Chris Graying é o novo líder da Câmara dos Comuns, que acumula com o título de Lorde Presidente do Conselho. Tina Stowell será a líder da Câmara dos Lordes. Para além de manter a pasta das Finanças, George Osborne passa agora a vice-primeiro-ministro, com a saída do anterior líder do PLB, Nick Clegg.

Theresa May mantém-se como responsável pela Administração Interna e assume pastas sensíveis como a cidadania e imigração. Nicky Morgan mantém-se na Educação e Igualdade. Phillip Hammond continua a administrar os Negócios Estrangeiros e a representar o Reino Unido nos grandes palcos da política internacional. Michael Grove e Michael Fallon continuam, por fim, respetivamente, com os ministérios da Justiça e Defesa.

O presidente da Câmara de Londres, Boris Johnson, passou pelo número 10 de Downing Street. Corriam rumores de que poderia trocar o lugar de “mayor” e assumir uma pasta ministerial, mas não se confirmou, mantendo-se como mero conselheiro do Governo.

À saída do parlamento, Johnson brincou com as perguntas dos jornalistas e respondeu ter sido convidado “apenas para ‘mayor’ de Londres” e seguiu, como habitual, a pedalar na sua bicicleta e de capacete amarelo na cabeça.