Última hora

Última hora

«O labirinto do silêncio» e os fantasmas de Auschwitz

Em leitura:

«O labirinto do silêncio» e os fantasmas de Auschwitz

Tamanho do texto Aa Aa

Esta semana, a rubrica "Cinema Box" destaca o filme « O labirinto do silêncio », do realizador italo-alemão Giulio Ricciarelli.

Talvez lhe falte uma pontinha de loucura para ser um grande filme, mas há boas razões para ver «O labirinto do silêncio». O filme de Giulio Ricciarelli retrata a forma como a sociedade alemã do pós-guerra lidou com os crimes do regime nazi.

A ação do filme começa em 1958 em Frankfurt em plena fase de reconstrução após a guerra: um jovem procurador descobre documentos que permitem provar a responsabilidade de numerosos alemães nos crimes cometidos em Auschwitz. Mas a vontade de procurar a verdade sobre o passado não agrada a toda a gente.

O grande tema do filme é o conflito entre as pessoas que querem esquecer o passado em nome da reconciliação nacional e as que exigem justiça.

O filme mostra que não é apenas uma parte da sociedade alemã que deseja pôr uma pedra em cima do passado. Nos anos 60, a chamada “desnazificação” deixou de ser uma prioridade para os EUA.

O primeiro filme do realizador italo-alemão Giulio Ricciarelli não é original do ponto de vista da realização mas é uma obra eficaz. A história é contada como se fosse um thriller.