Última hora

Última hora

Washington e Berlim criticam pena de morte contra Mursi

Os Estados Unidos estão “profundamente preocupados” com a decisão do tribunal egípcio que condenou à pena de morte o ex-presidente, Mohamed Mursi

Em leitura:

Washington e Berlim criticam pena de morte contra Mursi

Tamanho do texto Aa Aa

Os Estados Unidos estão “profundamente preocupados” com a decisão do tribunal egípcio que condenou à pena de morte o ex-presidente, Mohamed Mursi.

Uma espada de Dâmocles foi erguida contra todos os líderes da Irmandade Muçulmana que poderão igualmente ser sentenciados à pena capital.

Na lista dos possíveis condenados à morte estão o número dois Khairat al-Chater, e o seu guia espiritual Sheikh Youssef.

Um dos líderes da Irmandade Muçulmana que vive exilado na Turquia, Amr Daarrg, acusa a comunidade internacional de ser responsável pelos atuais acontecimentos no Egito.

“Por uma questão de verdade, temos de chamar a comunidade internacional à sua responsabilidade. Ou ela escolhe para ser parte da conspiração contra a revolução no Egito, contra o caminho democrático no Egito, ou vai ajudar a recuperar a democracia no Egito e rejeitar o regime, porque se estes veredictos são executados será o fim do caminho democrático no Egito. “

O Ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Frank-Walter Steinmeier reuniu-se com o seu homólogo jordano e manifestou igualmente desacordo em relação à sentença.

“A posição do governo alemão é a minha posição pessoal: contra a pena de morte. Eu digo que há alguns dias durante a minha visita ao Egito que esperamos que o sistema judiciário egípcio agisse de acordo com a lei e a ordem, e não de acordo com considerações políticas “.

No Cairo, as autoridades egípicas mantêm o silêncio.