Última hora

Última hora

Orbán participa em debate sobre pena de morte no Parlamento Europeu

O primeiro-ministro conservador húngaro compareceu à sessão do Parlamento Europeu desta terça-feira, em Estrasburgo. Viktor Orbán participou no

Em leitura:

Orbán participa em debate sobre pena de morte no Parlamento Europeu

Tamanho do texto Aa Aa

O primeiro-ministro conservador húngaro compareceu à sessão do Parlamento Europeu desta terça-feira, em Estrasburgo. Viktor Orbán participou no debate sobre a pena de morte, um assunto que o próprio colocou na ordem do dia.

“A Hungria é um país constitucional que conduz as lutas políticas com meios constitucionais. Ficaria satisfeito de ver uma mudança na lei europeia que restituísse a questão da pena de morte como competência nacional, mas isso não acontece. Primeiro temos de recuperar essa competência. Depois poderemos debater e decidir sobre esta matéria. Esta é a ordem correta”, disse o primeiro-ministro húngaro.

Na sequência das declarações controversas proferidas por Orbán, no final de abril, a propósito da introdução da pena de morte na Hungria, os grupos políticos do Parlamento Europeu pediram um debate sobre a matéria. Exceção do Partido Popular Europeu, ao qual pertence o partido Fidesz, do governante.

“Viktor Orbán deixou claro que não existe debate e iniciativa legislativa sobre a pena de morte na Hungria e por isso já não existe um problema”, sublinhou Manfred Weber, o líder do Partido Popular Europeu.

Não menos polémica foi a consulta pública realizada na Hungria sobre a possibilidade da aprovação de novas medidas contra a imigração. O questionário apresentado, para muitos tendencioso, provocou críticas de alguns eurodeputados, como Rebecca Harms, da bancada verde: “Chamar-lhe-íamos um instrumento para envenenar o ambiente, por isso existe alguém negativo na retaguarda.”

Viktor Orbán diz que o Governo húngaro respeitará e honrará os tratados e a legislação europeia, mas o presidente do executivo comunitário sublinhou que em caso de introdução da pena capital, a Hungria poderá comprar uma guerra com a União Europeia.