Última hora

Última hora

Luís Figo: "Um dos piores dias da história da FIFA"

Antigo internacional português retirou-se da semana passada da corrida â presidência do organismo e reitera criticas a Sepp Blatter

Em leitura:

Luís Figo: "Um dos piores dias da história da FIFA"

Tamanho do texto Aa Aa

Lusa — O português Luís Figo afirmou que quarta-feira, 27 de maio, é um dos piores dias da história da FIFA e que é um erro seguir com as eleições para a presidência do organismo, reiterando que estas não são livres.

Point of view

"Há agora muito mais gente que concorda comigo. Caucionar este plebiscito (as eleições) é um erro"

“Quem gostar de futebol, quem o sentir como eu sinto, tem de marcar o dia 27 de Maio de 2015 como um dos piores dias da história da FIFA. Volto a afirmar o que disse na semana passada: o que está agendado para sexta-feira em Zurique não é uma eleição”, escreveu o jogador nas redes sociais, no final de um dia em que foram detidos vários dirigentes e ex-dirigentes da FIFA por suspeitas de corrupção, e rematando: “Há agora muito mais gente que concorda comigo. Caucionar este plebiscito é um erro.”


Quem gostar de futebol, quem o sentir como eu sinto, tem de marcar o dia 27 de Maio de 2015 como um dos piores dias da…

Posted by Luís Figo on Quarta-feira, 27 de Maio de 2015


Figo reforçou ideia manifestada na semana passada, quando desistiu da corrida à presidência do organismo por considerar que o ato eleitoral não era livre, mas um “plesbicito de entrega do poder absoluto a um só homem”, referindo-se ao atual presidente, o suíço Joseph Blatter.




O Departamento de Justiça dos Estados Unidos indiciou nove dirigentes ou ex-dirigentes e cinco parceiros da FIFA, acusando-os de conspiração e corrupção nos últimos 24 anos, num caso em que estarão em causa subornos no valor de 151 milhões de dólares (quase 140 milhões de euros).

Entre os acusados estão dois vice-presidentes da FIFA, o uruguaio Eugenio Figueredo e Jeffrey Webb, das Ilhas Caimão e que é também presidente da CONCACAF (Confederação de Futebol da América do Norte, Central e Caraíbas), assim como o paraguaio Nicolás Leoz, ex-presidente da Confederação da América do Sul (Conmebol).

Dos restantes dirigentes indiciados fazem parte o brasileiro José María Marín, membro do comité da FIFA para os Jogos Olímpicos Rio2016, o costarriquenho Eduardo Li, Jack Warner, de Trinidad e Tobago, o nicaraguense Júlio Rocha, o venezuelano Rafael Esquivel e Costas Takkas, das Ilhas Caimão.

A FIFA suspendeu provisoriamente 11 pessoas de toda a atividade ligada ao futebol: os nove dirigentes ou ex-dirigentes indiciados e ainda Daryll Warner, filho de Jack Warner, e Chuck Blazer, antigo homem forte do futebol dos Estados Unidos, ex-membro do Comité Executivo da FIFA e alegado informador da procuradoria norte-americana, que já esteve suspenso por fraude.

Esta quinta-feira, o organismo liderado por Sepp Blatter suspendeu mais um oficial: Aaron Davidson, de 44 anos. O visado é presidente da Traffic Sports USA, proprietária do clube Carolina RailHawks, que alinha na NASL, uma das ligas de futebol da América do norte e da qual Davidson é também diretor executivo.




A acusação surge depois de o Ministério da Justiça e a polícia da Suíça terem detido Webb, Li, Rocha, Takkas, Figueredo, Esquivel e Marin na quarta-feira, num hotel de Zurique, a dois dias das eleições para a presidência da FIFA, à qual concorrem o atual presidente, o suíço Joseph Blatter, e Ali bin Al-Hussein, da Jordânia.

Simultaneamente, as autoridades suíças abriram uma investigação à atribuição dos Mundiais de 2018 e 2022 à Rússia e ao Qatar.