Última hora

Última hora

Afeganistão: Nomeada a primeira mulher para o Supremo Tribunal

Pela primeira vez, na história do Afeganistão, uma mulher foi nomeada para o Supremo Tribunal do país. O presidente afegão, Ashraf Ghani nomeou Anisa

Em leitura:

Afeganistão: Nomeada a primeira mulher para o Supremo Tribunal

Tamanho do texto Aa Aa

Pela primeira vez, na história do Afeganistão, uma mulher foi nomeada para o Supremo Tribunal do país.

O presidente afegão, Ashraf Ghani nomeou Anisa Rassouli para ocupar uma das nove cadeiras do mais importante tribunal do país.

A nomeação de Rassouli terá ainda de ser aprovada pelo parlamento. Quando tomar posse, a magistrada garante que vai aumentar o número de mulheres no sistema judicial e tem como principal objetivo, melhorar o modo como os casos de violência contra as mulheres são tratados nos tribunais do país.

Três décadas a defender os direitos das mulheres

Anisa Rassouli formou-se em direito, em 1986, na Faculdade de Direito e Ciências Políticas, da Universidade de Cabul. A magistrada acredita que um dos maiores problemas do Supremo Tribunal é a interferência da política. Rassouli está apostada em acabar com a corrupção naquele organismo. Até ao momento a afegã tem liderado a Associação Afegã de Mulheres Juízes: http://bit.ly/1IisgRye dirige o Tribunal de Família e Menores.

Ashraf Ghani garante que a nomeação tem a aprovação dos líderes religiosos do país mas o conselho dos “ulema” (doutores da lei islâmica) do Afeganistão já se opôs, afirmando que o Islão ou a “Sharia” não permite que uma mulher ocupe o cargo de juíza.

“Expressamos a nossa posição numa carta ao presidente (…) pedindo-lhe que revogasse a decisão, pois nunca houve um juiz do sexo feminino na história do Islão”, afirmou o porta-voz do conselho, Attaullah Ludin.

As mulheres têm assumido um lugar mais preponderante na política nacional. O governo de Ashraf Ghani conta com a presença feminina nos ministérios do Trabalho, Educação, Luta contra os Estupefacientes e Assuntos das Mulheres. O presidente já afirmou que pretende nomear mais mulheres para diplomatas e governadoras.