Última hora

Última hora

Iémen: Cerca de 15 milhões de pessoas necessitam de cuidados médicos

Há 80 dias que o Iémen está debaixo de fogo e hoje os ataques continuam, apesar do início das negociações de paz, em Genebra. Os bombardeamentos da

Em leitura:

Iémen: Cerca de 15 milhões de pessoas necessitam de cuidados médicos

Tamanho do texto Aa Aa

Há 80 dias que o Iémen está debaixo de fogo e hoje os ataques continuam, apesar do início das negociações de paz, em Genebra.

Os bombardeamentos da coligação liderada pela Arábia Saudita têm destruído a capital, Sanaa, sobretudo o centro histórico Património Mundial da UNESCO, sem contar o massacre de civis, praticamente enterrados vivos nos escombros das casas.

Este residente conta: “Se eles estão à procura de mísseis Scud podem ir procurar junto à fronteira, na zona militar, não na cidade. Estão a destruir tudo o que temos”.

Desde o início da revolta Houthi, há 12 meses, mais de 2.600 pessoas foram mortas e os feridos contam-se aos milhares.

O doutor Nasir Al-Qadasi, Director de Hospital em Sanaa alerta:
“Estamos a necessitar de tudo. Medicamentos de base e todos os requisitos de emergência. Como sabe, este é o segundo maior hospital e estamos em enorme carência”

A capacidade de resposta à avalanche de feridos é cada vez mais reduzida. A situação é particularmente grave nas províncias fortemente afectadas pelo conflitos, como Aden, Sa`adah e Al Jawf. Segundo as ONG’s internacionais, cerca de 15 milhões de pessoas
necessitam de cuidados médicos, isto é mais de 58% da população iemenita.