Última hora

Última hora

Tesouros no Danúbio e no Mar Negro enriquecem História

Iulian Rusu e Pascale Roibu Ambos são mergulhadores profissionais com uma paixão comum: a história. Conhecem-se há quatro anos. Decidiram iniciar a

Em leitura:

Tesouros no Danúbio e no Mar Negro enriquecem História

Tamanho do texto Aa Aa

Iulian Rusu e Pascale Roibu Ambos são mergulhadores profissionais com uma paixão comum: a história. Conhecem-se há quatro anos. Decidiram iniciar a busca de tesouros na parte inferior do Danúbio e no Mar Negro.
Em Sulina, na Roménia, o Danúbio desagua no Mar Negro. Sob as águas agitadas, há um tesouro pronto para recuperar.

Durante séculos, o rio foi usado como rota comercial ou militar nas guerras regionais. Alguns dos navios que naufragaram nessas águas deixaram uma pequena marca em mapas desenhados há séculos.

Mas o que Pascal e Iulian encontraram, apenas a 6 km da costa de Sulina, superou todas as expetativas: três navios submersos a 10 metros de profundidade. O maior, com cerca de 60 metros de comprimento, pode corresponder a um navio de guerra, até porque os mergulhadores também encontraram rodas enferrujadas de velhos canhões e mísseis.

Iulian Rusu: – Conseguimos localizar uma série de marcas dos documentos da época, e a partir desses pontos, começamos a procurar vestígios. Há semanas, descobrimos três carcaças de barcos naufragados, centenas de balas de canhão, que são bolas muito pesadas, com cerca de 70 kg cada, e rodas de canhões, indiciando que pode haver mais canhões e armas por aqui.

Pascale Roibu:

- Supomos que são barcos que afundaram no final de 1700 (séc XVII). O que nos ajudou na identificação de navio de guerra foi a constatação de que usavam armas de pólvora negra, porque ser o tipo de munição usada durante as guerras napoleónicas. Mais tarde, durante a guerra da Crimeia já eram usadas outras munições.

A história registou mais de 100 naufrágios de navios do império britânico e francês, nos séculos XVIII e XIX.

Iulian e Pascale trouxeram à superfície tudo o que conseguiram e tarnsportaram para o museu de Sulina, que fica no antigo farol construído pelos otomanos em 1870.
Depois de uma investigação exaustiva em recortes de jornais britânicos do século XIX e nlguns mapas antigos, conseguiram convencer as autoridades locais a colocar as peças no processo de avaliação oficial.

Não é a primeira descoberta dos dois mergulhadores romenos. Desde 2012 eles encontraram três hidroaviões alemão aparentemente abatido durante a Segunda Guerra Mundial, em dois lagos perto do Mar Negro.

Estes dois mergulhadores já em 2012 tinham encontrado três hidroaviões da II Guerra Mundial, no fundo dos lagos Siutghiol e Tashaul, perto do Mar Negro. As peças ainda estão a ser avaliadas.