Última hora

Última hora

Business Line: Mercado de ações saudita abre-se ao estrangeiro

A nova edição de Business Line debruça-se sobre a decisão do Tribunal de Justiça da União Europeia dar luz verde ao programa de Mario Draghi, que

Em leitura:

Business Line: Mercado de ações saudita abre-se ao estrangeiro

Tamanho do texto Aa Aa

A nova edição de Business Line debruça-se sobre a decisão do Tribunal de Justiça da União Europeia dar luz verde ao programa de Mario Draghi, que considera estar dentro das competências do Banco Central Europeu. Em geral, a situação na zona euro, e na União Europeia, está muito melhor do que há três anos. Apesar disso, economistas e políticos são, extremamente, cautelosos quando falam de “crescimento”, preferindo dizer “recuperação”. Ainda assim, as vendas de carros novos na Europa, estão a aumentar, a um ritmo lento, mas a aumentar.

Com a Europa a tentar acelerar a recuperação económica, há algum tempo que os investidores procuravam algo diferente e, finalmente, tiveram boas notícias. A Arábia Saudita acaba de abrir o seu mercado de ações ao mundo. No nosso programa vamos compreender as exigências do maior exportador de petróleo do mundo e tentar perceber se vale a pena arriscar.

Da Arábia Saudita, ainda muito dependente do petróleo, passamos para as companhias aéreas europeias que, mesmo com os preços do petróleo em baixa, não se sentem aliviadas. A Air France é uma delas. Há algum tempo que a transportadora tenta cortar nos custos e agora declarou guerra.

De uma guerra para outra. Há anos que Microsoft e Sony competem pelos jogos. E, enquanto nós jogamos, eles lucram. A Sony parece seguir na frente da batalha, pelo menos na das consolas.

Perder para a concorrência pode resultar não só em menores receitas mas, por vezes, isso significa o fim. Foi isso que aconteceu com uma das marcas mais famosas dos EUA – a Colt Defense – uma das mais conhecidas fabricantes de armas do país.