Última hora

Última hora

Paradoxo na Escandinávia:países que precisam de mão de obra elegem partidos nacionalistas

Noite de festa para a oposição da direita dinamarquesa: a coligação liderada pelo liberal Lars Lokke Rasmussen recuperou o poder, esta quinta-feira

Em leitura:

Paradoxo na Escandinávia:países que precisam de mão de obra elegem partidos nacionalistas

Tamanho do texto Aa Aa

Noite de festa para a oposição da direita dinamarquesa: a coligação liderada pelo liberal Lars Lokke Rasmussen recuperou o poder, esta quinta-feira, na Dinamarca graças à espetacular subida do Partido do Povo Dinamarquês, ultraconservador, com 21% dos votos, que se converteu na segunda força política do país. A esquerda sai definitivamente do governo.

Com a vitória dos ultraconservadores na Dinamarca confirma-se a ascensão dos partidos anti-imigração na Escandinávia.

Nas últimas eleições suecas (14 de setembro de 2014), o partido de direita nacionalista Democratas da Suécia (SD) duplicou os votos e converteu-sena terceira força parlamentar.

Os “Verdadeiros Finlandeses” do líder eurocético Timo Saini, também lograram manter a segunda posição nas eleições de abril.

Na Noruega, um movimento populista de extrema direita, o Partido do Progresso (FrP) conseguiu entrar no parlamento, pela primeira vez em 40 anos.

Uma das razões desta ascenção é a economia. Todos estes países disfrutam de boa saúde económica, mesmo que afetados pela crise financeira da zona euro.

A isto se junta o problema da imigração. Os países escandinavos foram os primeiros a adotar medidas mais protetoras e agressivas em relação à imigração, tornando-se menos atrativos para os imigrantes da Turquia, da Roménia e da Somália.

O medo de perder a identidade nacional e europeia, ligado à ideia de que delinquência e imigração são um fenómeno só, também preocupa os países escandinavos, que têm as taxas de criminalidade mais baixas da Europa.

*Sigurd Fredeng, funcionário público: – Esta é uma zona onde se concentram os mafiosos do tráfico de droga, prostituição, etc. Como hoje está muito frio, não estão à vista, mas há sempre muitos pedintes romenos, faça frio ou calor.

Graças à exportação de petróleo e uma das taxas de desemprego mais baixas da Europa, os países escandinavos dependem da mão de obra estrangeira.

O paradoxo é real: os novos governos com políticas contra a imigração precsiam dos imigarntes para viver.