Última hora

Última hora

Angelina Jloie e António Guterres na Turquia no Dia Mundial dos Refugiados

Em leitura:

Angelina Jloie e António Guterres na Turquia no Dia Mundial dos Refugiados

Angelina Jloie e António Guterres na Turquia no Dia Mundial dos Refugiados
Tamanho do texto Aa Aa

No Dia Mundial dos Refugiados, Angelina Jolie e António Guterres visitaram, na Turquia, um campo que acolhe cidadãos sírios fugidos da guerra. Ao todo, =>a href=“http://www.independent.co.uk/news/world/europe/world-refugee-day-5-charts-that-show-the-global-refugee-crisis-is-worse-than-ever-10333831.html” rel=“external”>3,9 milhões de pessoas== já fugiram da Síria, o país que mais refugiados está a criar.

A Turquia é o país que acolhe, atualmente, mais refugiados sírios: quase um 1,6 milhão de sírios. Ao todo, mais de dois milhões de pessoas encontraram refúgio em terras turcas.

Qualquer pessoa pode começar um conflito onde quer que seja sem qualquer risco de ter de prestar contas - António Guterres

A enviada especial do ACNUR e o Alto-comissário da ONU para os Refugiados admitem a incapacidade do mundo atual para lidar com a situação dos refugiados==, que aumentam a cada dia que passa, devido aos conflitos, também eles crescentes.

“Muitas zonas do mundo vivem, hoje, no caos. E vemos que, em termos de conflitos, o Conselho de Segurança da ONU está paralisado. Na ausência de um sistema de governo global e de relações de poder claras, a impunidade e a imprevisibilidade tornam-se palavras de ordem. Qualquer pessoa pode começar um conflito onde quer que seja sem qualquer risco de ter de prestar contas”, criticou António Guterres.

Angelina Jolie enfatizou o valor dos refugiados: “Já é tempo de respeitar a situação dos refugiados e de ver o valor que têm. Devemos protegê-los e investir neles. Eles não são um problema, são parte da solução para a crise global que vivemos. São o potencial para a reconstrução e a restabilização dos países.”

O Dia Mundial dos Refugiados foi celebrado, um pouco por toda a parte. Na Alemanha, por exemplo, uma manifestação intitulada “Mudemos a Europa” exigia mais direitos para os refugiados.

Segundo os dados da ONU, desde 1950, o número de refugiados não para de aumentar: são atualmente 59 milhões, o que representa a vigésima quarta maior população mundial.

Ou seja, uma em cada 122 pessoas é refugiada, requerente de asilo ou está deslocada dentro do seu próprio país.