Última hora

Última hora

Râguebi seduz brasileiros e ganha campo na praia de Copacabana

Nasceu há dois anos no Morro do Castro, em São Gonçalo, na área metropolitana do Rio de Janeiro, o UMRio, um projeto social de inclusão e

Em leitura:

Râguebi seduz brasileiros e ganha campo na praia de Copacabana

Tamanho do texto Aa Aa

Nasceu há dois anos no Morro do Castro, em São Gonçalo, na área metropolitana do Rio de Janeiro, o UMRio, um projeto social de inclusão e solidariedade para jovens. Ideia de um inglês filho de uma brasileira, o projeto destina-se a crianças desfavorecidas das favelas da região e já ensina a prática de râguebi a mais de 130 jovens para quem “jogo de bola” era apenas futebol.

No início de junho, o projeto recebeu com um prémio da Federação Inglesa de Râguebi e saltou para os meios de comunicação internacionais. Apesar de tudo e com o râguebi a pouco mais de um ano de voltar a ser, 92 anos depois, de novo uma modalidade olímpica, a UMRio ainda funciona através do voluntariado e com os treinos a decorrer apenas um dia por semana, à terça-feira.


“Temos sete pessoas na nossa equipa administrativa e mais 15 jogadores de Oxford que costumam vir ajudar-nos”, explica o mentor do projeto, Robert Malengreau, que conta com a ajuda, por exemplo, de uma coordenadora educacional, um diretor de comunicação e um técnico de audiovisual.

A própria zona onde se insere e onde haverá 30 mil habitantes (números não oficiais), é precária. O crime faz parte do quotidiano, existem apenas 3 escolas e dois terços das habitações não dispõe de saneamento básico.


Robert Malengreau quis fazer algo para ajudar os jovens da região. Quando iniciou o mestrado em estudos latino-americanos, este diplomado de Política e Relações Internacionais resolveu estabelecer-se no Brasil para desenvolver uma tese de desenvolvimento social, na qual aprofunda o conceito de cidades assimétricas. A reboque, nasceu a UMRio, projeto no qual Malengreau conta com o apoio de uma escola e da Universidade britânica de Oxford.

Integrados neste projeto estão jovens entre os 6 e os 18 anos, que se dividem por dois grupos. Sem patrocínios, a UMRio tem conseguido fundos através de doações pela internet, por plataformas de “crowdfunding” e com a organização de bazares beneficentes.

O Bazar Beneficente para o Projeto UMRio [ONERio]]organizado e realizado por Juliana Lima, Bianca Schulze, Natalia…

Posted by UMRio/ONERio on Sábado, 24 de Janeiro de 2015

Num país em que o futebol é rei, Malengreau conta que muitos dos jovens não faziam ideia do que era o râguebi. “Chegaram aqui com muitos traços do futebol. Tentavam jogar sozinhos, sem trabalho de equipa, como aqueles jogadores que querem levar a bola de um lado ao outro do campo, driblar toda a gente e fazer golo. Num curto espaço de tempo, dois meses talvez, perceberam que isso não era possível. O trabalho de equipa vem antes de tudo o resto no râguebi”, sublinha o também jogador do Niterói, concretizando: “Começámos com 53 inscritos em 2013, hoje temos 132.”

Em Copacabana, entretanto, foi inaugurado esta semana o primeiro campo de râguebi fixo numa praia do Brasil. “O lançamento do programa de râguebi na praia é fundamental para o conhecimento da modalidade no Brasil. Primeiro, porque estamos a um ano dos Jogos Olímpicos e é precisa mostrar a modalidade ao povo fluminense. Segundo, porque colocar o râguebi num local que é tradicional do vólei e do futebol de praia aguça a curiosidade pela modalidade”, afirmou Sami Arap Sobrinho, presidente da Confederação Brasileira de Râguebi, esperando que “a estrutura seja usada também por clubes e projetos sociais da região para estender a utilização aos torneios internacionais de râguebi de praia em que as seleções possam atuar.”

24/06/2015 – Inauguração de campo de rugby na Praia de Copacabana Foto: João Neto/Fotojump

Posted by Confederação Brasileira de Rugby on Quarta-feira, 24 de Junho de 2015

É mais um passo para a afirmação de uma modalidade que no Rio de Janeiro vai voltar a ser olímpica na variante de “Sevens”, com Portugal na corrida para participar neste regresso. A equipa lusa tem conseguido alguns bons resultados nesta variante do râguebi, mas há alguns dias falhou o apuramento olimpico direto.

A meio de julho (dias 18 e 19), Lisboa recebe a fase final da qualificação europeia, na qual Portugal terá de ser uma das três melhores seleções para passar ao torneio final de qualificação olímpica, a realizar já em junho do próximo ano. Nessa derradeira fase, 12 seleções irão competir pelo único lugar ainda vago no quadro de râguebi “sevens” dos Jogos Olímpicos.

7s Grand Prix Series: Portugal termina torneio de Lyon no 7.º lugarNo último jogo do dia, os Lobos venceram a Itália…

Posted by Federação Portuguesa de Rugby (Página Oficial) on Domingo, 14 de Junho de 2015