Última hora

Última hora

O que se passa no cérebro quando conversamos com alguém?

Em leitura:

O que se passa no cérebro quando conversamos com alguém?

Tamanho do texto Aa Aa

O que se passa no cérebro quando conversamos com alguém? Para responder à pergunta, uma equipa de cientistas norte-americanos estuda atualmente a

O que se passa no cérebro quando conversamos com alguém?

Point of view

Quando os padrões do cérebro são próximos, a comunicação e a compreensão melhoram. Se a pessoa entende bem o que estou a dizer, os seus padrões cerebrais tornam-se similares aos meus.

Para responder à pergunta, uma equipa de cientistas norte-americanos estuda atualmente a atividade cerebral de um grupo de voluntários.

Os investigadores criaram uma touca, equipada com cabos de fibra ótica, que permite a penetração dos feixes laser no cérebro, a uma profundidade de 2,5 centímetros.

Graças a este dispositivo, os cientistas obtêm imagens detalhadas do cérebro.

“Queremos perceber o circuito neurológico associado às interações entre as pessoas. É provavelmente uma das funções mais fundamentais da espécie humana e sabemos muito pouco sobre a questão. O elemento novo é o facto de termos informação visual sobre o rosto, que faz parte do sistema da linguagem e é um elemento que integra situações interativas, como os diálogos, explicou a investigadora Joy Hirsch, da Faculdade de Medicina da Universidade de Yale.

O cérebro é composto por cerca de 100 mil milhões de células nervosas ligadas umas às outras. Essas células são responsáveis pelo controlo de todas as funções mentais. Todas as emoções, como o amor, o ódio, o medo, a alegria e a tristeza, são controladas pelo cérebro. Quando duas pessoas falam uma com a outra, regista-se uma verdadeira dança interna, ao nível do cérebro. Em situações de stress e depressão os padrões cerebrais são alterados.

A investigadora Joy Hirsch sublinha que um dos objetivos da investigação é contribuir para uma melhor compreensão do autismo.

“No caso do autismo, o primeiro marcador do problema, observado pelos pais e pelos profissionais de saúde, é o facto de as crianças não interagirem com os outros. No entanto, sabemos muito pouco sobre os circuitos cerebrais que são ativados quando nos relacionamos com outra pessoa”, sublinhou a investigadora norte-americana.

Na Universidade de Princeton, o neurocientista Uri Hasson desenvolveu um método novo para observar o que acontece quando duas pessoas conversam uma com a outra. De acordo com o investigador, quando duas pessoas comunicam bem, os padrões cerebrais assemelham-se.

“Desenvolvemos um método novo. Posso obter uma imagem digital do que está acontecer quando as pessoas estão a contar histórias da vida real. Depois, apresento essa gravação a um grupo de voluntários. Numa situação de comunicação da vida real, quando os padrões do cérebro são próximos, a comunicação e a compreensão melhoram. Se a pessoa entende bem o que estou a dizer, os seus padrões cerebrais tornam-se similares aos meus”, explicou o investigador.

Os cientistas já conseguiram elaborar um mapa do cérebro, com as diversas regiões responsáveis pelo controlo dos sentidos e das emoções, mas os mecanismos que reagem o pensamento e a memória são pouco conhecidos.