Última hora

Última hora

A queda livre da bolsa chinesa

Em leitura:

A queda livre da bolsa chinesa

Tamanho do texto Aa Aa

O regulador dos mercados chineses não consegue travar a queda a pique em que entraram as bolsas do país. Desde 12 de junho deste ano, ou seja, menos de um mês, o índice de Xangai perdeu mais de 30%. Só na última sessão desvalorizou 5,8%
As autoridades chineses já tentaram tomar medidas para facilitar as transações com dinheiro emprestado, para além de ter sido criada uma comissão de inquérito para investigar e combater possíveis manipulações do mercado.

Mas esta descida vertiginosa não supreende todos os analistas uma vez que desde julho do ano passado e até 12 de junho, as bolsas chinhesas tinham acumulado ganhos de 150%. Quanto maior a subida…maior a queda.

Zhang Qi, analista em Xangai, lembra que “as medidas do governo estão a ter efeitos positivos. Porque esta recente queda é o resultado da falta de confiança. Todos sentem que existe muita pressão para estabilizar o mercado. Esta manhã tivemos uma negociação mais estável, mas durante a tarde voltámos registar quedas. É um ciclo vicioso.”

O Banco Central da China também está a tentar travar este momento negativo. E já prometeu que vai manter uma política monetária prudente até ao final do ano.

E o tal ciclo vicioso está a afetar também todos mercados asiáticos que ainda que não registem quedas tão forte, têm estado a negociar nestas últimas semanas em terreno negativo.