Última hora

Última hora

Grécia: "Sair do euro é mau, ficar é mau, ambas as opções são más"

Com os bancos fechados e os multibancos a distribuírem 60 euros por dia e por pessoa, os gregos aguardam uma saída para a crise

Em leitura:

Grécia: "Sair do euro é mau, ficar é mau, ambas as opções são más"

Tamanho do texto Aa Aa

Enquanto os líderes discutem uma possível saída para a crise, em Atenas, os gregos estão na expectativa. Para já, os bancos continuam fechados até segunda-feira, e os levantamentos multibanco limitados a 60 euros diários.

Point of view

Não imagino ficarmos isolados do resto da Europa. Seria uma tragédia - Alexandros, reformado

Os bancos garantem ter liquidez suficiente até segunda-feira, mas os gregos inquietam-se.

“Tenho medo do que possa acontecer se não alcançarmos um acordo. Tenho medo. Tenho mesmo medo. Espero que se encontre uma solução”, admite Athanasia, uma jovem reformada.

Alexandros, outro reformado, confessa: “Não imagino ficarmos isolados do resto da Europa. Seria uma tragédia.”

Outro ateniense, Dimitris, explica: “Quero continuar na zona euro, mas não nestas condições que levam as pessoas à miséria. Para quê ficar se é tão difícil sobreviver, quando não temos o suficiente para viver, para nos sustentarmos? Porquê ficar na zona euro, então? Basicamente, sair é mau, ficar é mau, ambas as opções são más.”

Seja qual for a opção, certos analistas estimam que a banca grega acabará por viver uma onda de fusões e que dos quatro grandes bancos atuais – Banco Nacional da Grécia, Eurobank, Banco do Pireu e Alpha Bank, – apenas dois sobreviverão.