Última hora

Última hora

Londres: Trabalhadores do metro iniciam greve de 24 horas

Na quarta-feira foi difícil voltar para casa depois de um dia de trabalho, na capital do Reino Unido.Mais de 20 mil trabalhadores do metro de Londres

Em leitura:

Londres: Trabalhadores do metro iniciam greve de 24 horas

Tamanho do texto Aa Aa

Na quarta-feira foi difícil voltar para casa depois de um dia de trabalho, na capital do Reino Unido.Mais de 20 mil trabalhadores do metro de Londres iniciaram uma greve. A paralisação começou às 18 horas e vai prolongar-se por um dia.

Quatro sindicatos lutam por melhorar o pagamento das horas noturnas. As centrais sindicais recusaram 2 por cento de aumento salarial proposto pela empresa.

O sindicalista Finn Brennan, afirma que “o grande problema é que as propostas deles não lidam com questões do equilíbrio entre a vida profissional e as horas antissociais de trabalho. O nosso comité executivo vai decidir quais são os próximos passos a tomar. Mas é preciso fazer, realmente, progressos. A empresa tem, agora, de ser sensível e sentar-se connosco de modo a encontrarmos uma solução.”

De acordo com os “media” locais o serviço dos autocarros foi reforçado. Na quinta-feira estarão a circular, pelas ruas londrinas, mais 200 autocarros do que o habitual.

Milhões de pessoas são afetados pela paralisação.

“Tenho sorte por não viver longe do centro, por isso penso que vou conseguir resolver isto caminhando ou apanhando um táxi. Claro que vai ser confuso!”, exclama esta londrina.

Um turista afirma que “não conheço a cidade por isso tenho de descobrir como utilizar os autocarros.”

Uma jovem confessa que os trabalhadores “talvez tenham razão ao fazer uma greve, mas vamos todos ter a vida dificultada até sexta-feira de manhã.”

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, já se pronunciou sobre a greve, classificando-a de “inaceitável”.

Devido a esta greve, sem precedentes na última década, mais 200 autocarros reforçam os transportes públicos, e as pessoas são aconselhadas a usar a bicicleta. Contudo não parece que seja possível compensar a paralisação de 20 mil trabalhadores do metro.