Última hora

Última hora

Morales oferece "crucifixo comunista" ao Papa

O estranho presente não passou despercebido nas redes sociais.

Em leitura:

Morales oferece "crucifixo comunista" ao Papa

Tamanho do texto Aa Aa

À chegada à Bolívia, o Papa Francisco foi recebido pelo presidente Evo Morales com um presente, no mínimo, curioso: Um crucifixo em forma de foice e martelo.

Point of view

Uma lógica que procura transformar tudo em objeto de troca, em objeto de consumo (...). Jesus diz: Não devemos excluir (os mais fracos). Devem dar-lhes de comer.

Misturar o símbolo comunista com o da religião católica pode parecer estranho a muitos, mas Morales quis homenagear a Teologia da Libertação, movimento criado na América Latina por padres esquerdistas. Trata-se da reprodução de um objeto criado por um jesuíta opositor, morto pelos paramilitares bolivianos em 1980. O presente deu que falar nas redes sociais:

Houve também quem tivesse reagido com humor:

“Jesus disse: Dai-lhes de comer”

Na missa, Francisco falou da necessidade de apoio social: “Uma lógica que procura transformar tudo em objeto de troca, em objeto de consumo, que quer que tudo seja negociável, uma lógica que pretende deixar espaço a muito poucos, descartando todos aqueles que não produzem? Jesus, mais uma vez, diz-nos: Não os devemos excluir, não têm de se ir embora, devem dar-lhes de comer.

À missa campal, em Santa Cruz, assistiram centenas de milhares de pessoas. Muitas dormiram no local, para assegurar o melhor lugar. Antes da Bolívia, o Papa tinha estado no Equador e segue depois para o Paraguai. Estes são os três países mais pobres da América Latina.