Última hora

Última hora

Desaparecem 250 mil crianças na Europa por ano

Depois dos casos Marc Dutroux e Maddie, será que a Europa conseguiu reforçar os mecanismos para enfrentar o desaparecimento de uma criança? Existe realmente uma coordenação eficaz entre autoridades?

Em leitura:

Desaparecem 250 mil crianças na Europa por ano

Tamanho do texto Aa Aa

Todos os anos, cerca de 250 mil crianças são dadas como desaparecidas na Europa. Há uma linha de emergência – o 116000 – que se tem revelado eficaz na descoberta do paradeiro de algumas delas. No balanço, incluem-se crianças que fugiram de zonas de conflito ou que foram levadas por um dos progenitores, por exemplo.

Point of view

Cerca de 50% das crianças refugiadas desaparece nas primeiras 48 horas após chegarem a um país da UE.

O financiamento da União Europeia ao serviço de emergência vai terminar este ano. A responsabilidade vai passar a pertencer a cada Estado-membro.

Os casos Marc Dutroux e Maddie tornaram a Europa mais vigilante. Mas será que a cooperação entre as autoridades e os movimentos civis funciona realmente?

Como convidados, no Parlamento Europeu, tivemos: Delphine Moralis, secretária-geral da Missing Children Europe, uma rede que reúne 30 ONG de 24 países; Catherine Bearder, eurodeputada pela Aliança dos Liberais e Democratas e Alain Remue, responsável pela unidade de desaparecidos da Polícia Federal Belga.

Delphine Moralis sublinha que há aqui “uma questão muito importante: crianças refugiadas, sozinhas, que desaparecem. Cerca de 50% destas crianças desaparece nas primeiras 48 horas após chegarem a um país da União Europeia.” Por outro lado, realça, “o medo não é a motivação certa. Temos de garantir que as crianças têm noção do seu próprio poder, têm auto-confiança. Os casos que conhecemos através das linhas de emergência, e através da polícia, dizem-nos que apenas 1% deles tem a ver com sequestros cometidos por terceiros.”

Em relação ao corte do financiamento atribuído pela Comissão Europeia à linha de emergência, Catherine Bearder considera que “as pessoas que precisam de ajuda vão ligar e não vai haver ninguém do outro lado da linha para atender. No quadro do orçamento europeu, este financiamento é reduzido. Para algumas pessoas, 4,5 milhões de euros em dois anos pode parecer muito dinheiro, mas é o equivalente à viagem de uma semana que os eurodeputados fazem de Bruxelas para a sessão plenária em Estrasburgo. Eu conheço muitos eurodeputados que dariam de bom grado esse dinheiro para ajudar…Se fosse o seu filho, se fosse um filho meu, não deixava pedra sobre pedra até o encontrar.”

Para Alain Remue, “alguns dos casos acabam mal e isso transmite a ideia de que as coisas não funcionam bem. Existe uma unidade de pessoas desaparecidas na polícia federal belga. Era ótimo se cada Estado-membro tivesse uma unidade especializada. (…) As primeiras horas são essenciais. Cada caso é diferente, mas o tempo e a comunicação são cruciais. Tudo parte daí.”