Última hora

Última hora

"Pennies": o quotidiano de duas crianças palestinianas que mendigam em Israel

Em leitura:

"Pennies": o quotidiano de duas crianças palestinianas que mendigam em Israel

Tamanho do texto Aa Aa

O documentário Pennies, do realizador árabe israelita Badran Badran, faz-nos conhecer duas crianças palestinianas que mendigam nas ruas de Israel

O documentário Pennies, do realizador árabe israelita Badran Badran, faz-nos conhecer duas crianças palestinianas que mendigam nas ruas de Israel. Yichia, de 14 anos de idade e o seu irmão Hamam, de 8, vêm de uma família de onze crianças, da aldeia de Tul Karem, na Cisjordânia.

O pai trabalhava em Israel na construção civil, mas nos últimos anos tem-lhe sido recusada a renovação da autorização de trabalho. Recolhe ferro para vender e é esta a sua única fonte de rendimento.

Yichia e Hamam têm de atravessar clandestinamente a fronteira para entrar em Israel. Enquanto o pequeno Hamam procura evitar o trabalho duro, Hamam sonha com um destino melhor.

O filme estreou na edição deste ano do Festival de Cinema de Jerusalém. O realizador tem trabalhado, nos últimos 15 anos, com crianças e adolescentes, em projetos educacionais.

Um tema como este não escapa ao quadro político, mesmo se o realizador não procurou associar nenhum discurso político ao documentário:

“Fazer este documentário foi para mim um compromisso social. O filme não discute política, mas a vida desta família é inteiramente condicionada pelo muro de segurança, que não permite que o pai trabalhe em Israel. É a causa da pobreza em que vivem e obrigou as crianças a mendigar nas ruas em vez de frequentar a escola. Que fazer para mudar isto?”

Este é o primeiro filme de Badran Badran. O realizador vive em Israel e reparou nos dois dois irmãos quando fazia o percurso para o emprego. O documentário obedece aos princípios do cinema direto, previligiando a realidade quotidiana vivida pelas duas crianças.

Badran Badran filmou os dois jovens irmãos, durante 8 anos, o que nos permite acompanhar diferentes fases das suas vidas. Uma tarefa que exigiu do realizador muita persistência:

“O primeiro desafio das filmagens foram os passadores, os chefes dos gangs que controlam as criança que mendigam nas ruas. Quando alguém aparecia com uma câmara, batiam-lhe. Levei mais de dois anos para ganhar a confiança deles e poder filmar. Algumas das pessoas que passavam nos carros também não queriam ser filmadas. E foi necessário algum tempo também para que as crianças se habituassem à câmera e agissem com naturalidade, mas isto acabou por acontecer”, disse o realizador.

Será que um dia Yichia conseguirá juntar dinheiro suficiente para quebrar o círculo vicioso e dar a Hamam a oportunidade de voltar para a escola?

O documentário de Badran Badran está em exibição nas Cinematecas de Israel até outubro. O filme vai ser mostrado também em vários festivais de cinema.