Última hora

Última hora

Drogba continua de azul no Canadá e com o "11" nas costas

Afinal nem foi uma mudança assim tão radical a de Didier Drogba, desde Inglaterra para o Canadá. O avançado costa-marfinense, de 37 anos, vai

Em leitura:

Drogba continua de azul no Canadá e com o "11" nas costas

Tamanho do texto Aa Aa

Afinal nem foi uma mudança assim tão radical a de Didier Drogba, desde Inglaterra para o Canadá. O avançado costa-marfinense, de 37 anos, vai continuar a vestir no Montreal Impact o mesmo tom de azul que envergava no Chelsea e até o número, o “11”, vai manter nas costas.



Depois de uma chegada apoteótica na véspera, o avançado foi apresentado esta sexta-feira pelo modesto Monteal Impact, equipa onde vai ser o “jogador designado”, isto é, a estrela que pode ganhar acima do teto salarial da Liga de Futebol norte-americana (MLS). Mas o “elefante” africano garante que será apenas mais um ser humano no balneário.

“Superestrela é apenas a forma como as pessoas olham para certos jogadores. Mas no balneário somos todos iguais, somos seres humanos. Tudo o que posso tentar fazer é partilhar o que sei com os meus colegas que querem aprender e aprender também com eles”, afirmou o costa-marfinense, que chegou a ser relacionado com o FC Porto, que ainda procura um sucessor para o colombiano Jackson Martinez — poderá ser o italo-argentino Pablo Osvaldo, que acaba de rescindir com o Southampton.

Com o futuro já definido no Canadá, Didier Drogba é a mais recente estrela da MLS, para onde se mudaram no último ano também Frank Lampard, Andrea Pirlo (New York City), Steven Gerrard (LA Galaxy) ou Kaká (Orlando City).



O costa-marfinense chegou a estar próximo de ingressar no Chicago Fire, que tinha opção garantida junto da MLS, mas o Montreal Impact negociou essa opção diretamente com os norte-americanos e conseguiu desviar Drogba para o Canadá. O ex-avançado do Chelsea e do Galatasaray assinou por 18 meses e vai ganhar cerca de 3 milhões de dólares anuais.

O salário do costa-marfinense está ao nível de Pirlo, ficando fora do top-10 das estrelas mais bem pagas da MLS, numa lista liderada pelo brasileiro Kaká (7,16 milhões de dólares/ ano).