Última hora

Última hora

Líbia dividida e tomada pelo EI vive crise humanitária

As milícias Fajr Libya, que se chamaram já Aurora Líbia, fizeram uma manifestação de força com uma parada militar no coração de Tripoli, antes das

Em leitura:

Líbia dividida e tomada pelo EI vive crise humanitária

Tamanho do texto Aa Aa

As milícias Fajr Libya, que se chamaram já Aurora Líbia, fizeram uma manifestação de força com uma parada militar no coração de Tripoli, antes das negociações com a ONU, há uns meses.

À frente de uma administração não reconhecida pela comunidade internacional, Fajr Libya á uma coligação heterogénea de grupos islamistas.

Há um ano tomaram o controlo da capital, nomeadamente do aeroporto, destruído depois de violentos combates e ainda encerrado.

Desde então, dois governos e dois parlamentos rivais confrontam-se politica e militarmente sobre o controlo da Líbia. O Parlamento oficialmente reconhecido pela comunidade internacional está instalado em Tobruk, a 1000 km da capital. Conseguiu eleger um presidente, há um ano, mas a situação agravou-se e está cada vez mais indecifrável.

Um terceiro ator passou a intervir com violência extrema: o autoproclamado Estado Islâmico.

O número de pessoas deslocadas no país quase duplicou, desde setembro, de 230 mil para mais de 434 mil.

O leste do país e em Benghazi, segunda cidade líbia, as tropas leais ao governo oficial combatem o EI sem grande sucesso. A ONU também alerta para a escalada da violência na cidade e o pesado impacto sentido pelos civis.

O país transformou-se em placa giratória do tráfico de seres humanos. As embarcações que enchem de migrantes em despero estão mal equipadas e são inadequadas….muitas naufragam com centenas de pessoas a bordo.
Segundo a ONU, 110.000 migrantes passaram pela Líbia no anos passado. Mas não há certezas quanto às centenas de milhares que aguardam em condições sub-humanas uma passagem para a liberdade.