Última hora

Última hora

Liga dos Campeões: Amigos, amigos, milhões à parte. Valência a um passo de deixar Mónaco pelo caminho

O início de temporada do Valência tem sido tudo menos tranquilo. As indefinições no grupo de trabalho são mais que muitas, o mercado de

Em leitura:

Liga dos Campeões: Amigos, amigos, milhões à parte. Valência a um passo de deixar Mónaco pelo caminho

Tamanho do texto Aa Aa

O início de temporada do Valência tem sido tudo menos tranquilo. As indefinições no grupo de trabalho são mais que muitas, o mercado de transferências cria mais dúvidas que esperanças e dentro das quatro linhas, a equipa esteve longe de convencer nos amigáveis de preparação.

Tudo mudou com o primeiro jogo a doer, o playoff de acesso à Liga dos Campeões frente ao Mónaco. Um duelo entre velhos conhecidos, não necessariamente pelo histórico de duelos entre ambas as formações mas pela quantidade de jogadores recrutados no futebol português (cada equipa tem oito jogadores ligados a Jorge Mendes), mas já lá vamos.

Os adeptos que esgotaram o Mestalla tiveram direito a uma noite de gala, com o Valência a dar um passo importante rumo à liga milionária com uma vitória por 3-1.

Rodrigo, logo aos quatro minutos, abriu o ativo. Mario Pašalić restabeleceu a igualdade a abrir o segundo tempo mas o empate durou apenas dez minutos. Daniel Parejo recolocou o clube che em vantagem, Sofiane Feghouli estabeleceu o 3-1 final já na reta final do encontro.

Liga dos Campeões, "playoff" (1.a mão):

FC Astana (Caz) -- APOEL (Chi), 1-0
BATE (Brs) -- Partizan (Ser), 1-0
Lazio (Ita) -- B. Leverkusen (Ale), 1-0
Manchester Utd (ing) -- Club Brugge (Bel), 3-1
Sporting (POR) -- CSKA moscovo (Rus), 2-1

(Segunda mão: quarta-feira, 26 de agosto)

R. Viena (Aus) -- Sh. Donetsk (Ucr), 0-1
Valência (Esp) -- AS Mónaco (Fra), 3-1
Skënderbeu (Alb) -- D. Zagreb (Cro), 1-2
Celtic (Esc) -- Malmö (Sue), 3-2
Basileia (Sui£) -- M. Telavive (Isr), 2-2

(segunda mão, terça-feira, 25 de agosto)

No duelo entre portugueses, Nuno Espírito Santo levou a melhor sobre Leonardo Jardim. A equipa espanhola esteve sempre por cima mas diga-se em abono da verdade que o resultado acaba por ser demasiado pesado para os monegascos. Mereciam, no mínimo, regressar a casa com apenas um golo de desvantagem.

Dentro das quatro linhas, Rúben Vezo foi o único português a entrar nas opções de Nuno e não foi muito feliz, o golo do Valência nasceu de um corte incompleto do setubalense.

Ricardo Carvalho, Bernando Silva e Ivan Cavaleiro foram titulares na equipa francesa. Nenhum deles conseguiu estar ao seu nível habitual.

Não foram os únicos portugueses a entrar em ação nesta noite europeia. Em Elbasan, na Albânia, Eduardo, Ivo Pinto, Gonçalo Santos e Paulo Machado foram todos titulares na vitória do Dínamo Zagreb frente ao Skënderbeu por 2-1, um triunfo garantido já nos descontos.

Além dos croatas, só o Shakhtar conseguiu vencer foram ao impor-se ao Rapid de Viena pela margem mínima. Nos restantes jogos não faltaram golos.

O Celtic levou de vencida o Malmö por 3-2, em Basileia, a equipa da casa não foi além de um empate (2-2) frente ao Maccabi de Tel Aviv.