Última hora

Última hora

Migração ilegal: Guterres pressiona e Macedónia recua no fecho da fronteira com a Grécia

O Governo da Macedónia recuou esta sexta-feira à tarde na decisão de fechar a fronteira com a Grécia à entrada de migrantes ilegais. Depois de

Em leitura:

Migração ilegal: Guterres pressiona e Macedónia recua no fecho da fronteira com a Grécia

Tamanho do texto Aa Aa

O Governo da Macedónia recuou esta sexta-feira à tarde na decisão de fechar a fronteira com a Grécia à entrada de migrantes ilegais. Depois de António Guterres, o Alto-Comissário das Nações Unidas para os Refugiados, ter pressionado o ministro dos Negócios Estrangeiros macedónio, Nikola Poposki, por causa do abuso de força contra os clandestinos, o executivo de Skopje voltou a atrás e levantou de forma parcial a proibição dos migrantes ilegais cruzarem a fronteira rumo ao norte da Europa.

“Um número limitado de migrantes ilegais de categorias vulneráveis está autorizado a entrar na Macedónia e a receber ajuda em conformidade com a capacidade do Estado”, lê-se num comunicado emitido pelo Ministério do Interior, no qual se sublinha o decréscimo significativo da emissão de certificados de entrada face aos 1300 emitidos na quinta-feira.


“Entre as 20 horas do dia 20 de agosto e as 08 horas da manhã desta sexta-feira verificou-se um total de 181 cidadãos estrangeiros — 145 do sexo masculino, 17 mulheres, nove crianças que acompanham o titular do certificado e mais 10 crianças que viajam sem os pais — a quem foram emitidos certificados para a apresentação de um pedido de reconhecimento do direito de asilo”, lê-se no mesmo comunicado, o qual especifica ainda que, entre os certificados passados, 148 foram para migrantes oriundos da Síria, 21 do Bangladeche e, entre outras origens, 8 eram do Paquistão.


Junto à fronteira foi possível perceber a passagem autorizada a conta-gotas de migrantes oriundos do lado grego. Um destes migrantes contou que “as autoridades da Macedónia estão a deixar passar grupos de cerca de 100 pessoas em intervalos de 5 a 10 minutos”. “Está a ser grupo a grupo”, descreveu este migrante anónimo.


A situação, esta sexta-feira de manhã, chegou a ser caótica. Na véspera, o governo da Macedónia decidiu fechar a fronteira com a Grécia aos clandestinos, tal o aumento do fluxo de migrantes ilegais. O exército e forças antimotim foram mobilizados. Houve recurso a gás lacrimogéneo e a balas de borracha.


São várias as imagens de feridos, com marcas que parecem resultado do impacto de balas de borracha. As imagens têm dado a volta ao Mundo e motivaram diversas reações negativas, inclusive, da Amnistia Internacional.


O Governo macedónio afrouxou um pouco o bloqueio aos migrantes junto à fronteira com a Grécia. A confusão, por agora, parece estar a acalmar numa zona onde as autoridades macedónias garantem já ter passado desde junho mais 40.000 migrantes ilegais rumo ao norte da Europa.