Última hora

Última hora

Ataque falhado a comboio Thalys intensifica preocupações com segurança europeia

Não passou de um susto, mas o atentado falhado a bordo de um comboio de alta velocidade que ligava Amesterdão, na Holanda, a Paris, em França, na

Em leitura:

Ataque falhado a comboio Thalys intensifica preocupações com segurança europeia

Tamanho do texto Aa Aa

Não passou de um susto, mas o atentado falhado a bordo de um comboio de alta velocidade que ligava Amesterdão, na Holanda, a Paris, em França, na sexta-feira passada, despertou o fantasma da ameaça terrorista no seio da União Europeia.

De forma a evitar o pior, as forças belgas e francesas já uniram esforços. Razão pela qual patrulhas mistas intensificaram o controlo, de passageiros e de bagagens.

“Poderão efetuar-se buscas em bagagens aleatórias nos comboios internacionais. Na prática, pode demorar mais tempo. Por isso, os passageiros devem saber que o embarque nos comboios pode tardar mais e que as bagagens que transportam podem ser inspecionadas”, explica Nathalie Pierard, porta-voz da companhia belga dos caminhos de ferro, SNCB.

Os passageiros dos comboios de alta velocidade TGV, Thalys e ICE deverão agora munir-se de paciência, mas apoiam mais vigilância.

Loïc Verheyen, euronews: “Atualmente, os passageiros internacionais podem embarcar no comboio rumo a um outro país europeu sem estarem sujeitos ao controlo de bagagens e de identidade. Exceção feita para as viagens com destino ao Reino Unido, porque não se encontra na zona Schengen. Antes de entrar para o Eurostar, todos os passageiros estão sujeitos a um controlo de segurança.”

O Espaço Schengen abrange 26 países, permitindo a livre circulação entre as nações signatárias. A Comissão Europeia alerta, pela voz de Christian Wigand, que o reforço da segurança não pode asfixiar a liberdade de circulação: “É importante que o controlo da polícia não se transforme em controlo das fronteiras. Por isso, não podem ser sistemáticos.”

A ministra belga da Mobilidade, Jacqueline Galant, ressalva que a abertura das fronteiras não está em causa, mas quer que se contemplem medidas de controlo que se adaptem à sofisticação das práticas terroristas: “Quando existe um problema para a segurança pública, para a segurança nacional, existem medidas que podem ser implementadas. Medidas temporárias, nomeadamente em relação aos controlos de identidade.”

Até ao final desta semana deverá realizar-se uma reunião entre os ministros dos Transportes e do Interior da Bélgica, Holanda, Alemanha e França. O encontro servirá para estreitar a cooperação de países e de serviços de polícia transfronteiriços.