Última hora

Última hora

Assad rejeita aliança com países que apoiam rebeldes para lutar contra Estado Islâmico

Em leitura:

Assad rejeita aliança com países que apoiam rebeldes para lutar contra Estado Islâmico

Assad rejeita aliança com países que apoiam rebeldes para lutar contra Estado Islâmico
Tamanho do texto Aa Aa

O presidente sírio diz-se aberto à proposta russa de uma coligação internacional contra os extremistas do Estado Islâmico, mas rejeita aliar-se a países que apoiam a rebelião no seu país.

Numa entrevista televisiva, Bashar al-Assad repetiu uma retórica que não é nova, comparando os rebeldes aos “jihadistas” e assumindo-se como o salvador do povo sírio:

“O importante é ser capaz de formar uma aliança que lute contra o terrorismo. Qualquer aliança, procedimento ou diálogo que conduza ao fim do massacre sírio deve ser uma prioridade, e devemos trabalhar nesse sentido sem hesitação. O que nos preocupa é o resultado no terreno; logicamente, não é possível que Estados que apoiam o terrorismo, sejam os mesmo que vão lutar contra terroristas.”

A proposta da Rússia, aliado vital de Damasco, envolveria juntar forças com Estados na região que têm apoiado diferentes grupos rebeldes na Síria.

O presidente francês, François Hollande, também reagiu à iniciativa de Moscovo:

“Temos de enfrentar a ameaça terrorista, sem preservar Assad [no poder] e, ao mesmo tempo, tentar obter uma transição política na Síria.”

Uma posição que é semelhante à dos Estados Unidos, que responsabilizam o regime de Assad pela grande maioria das cerca de 250.000 mortes provocadas pelos quatro anos de conflito em território sírio.