Última hora

Última hora

EUA: Relançada a discussão sobre o controlo de armas de fogo

“Mais de 11 mil americanos morreram devido à violência armada, só em 2013. Todos os países têm pessoas violentas, detestáveis ou mentalmente

Em leitura:

EUA: Relançada a discussão sobre o controlo de armas de fogo

Tamanho do texto Aa Aa

“Mais de 11 mil americanos morreram devido à violência armada, só em 2013. Todos os países têm pessoas violentas, detestáveis ou mentalmente instáveis. A diferença é que nem todos os países são inundados com tantas armas, facilmente acessíveis.” O presidente, Barack Obama, lança, mais uma vez um apelo para um maior controlo de armas de fogo nos Estados Unidos da América

Em junho, a cidade de Charleston, na Carolina do sul, foi abalada com um tiroteio. Nove pessoas morreram depois de um jovem de 21 anos, defensor da “supremacia branca”, entrar numa igreja frequentada pela população negra e ter começado a disparar indiscriminadamente.

O incidente foi uma das razões invocadas pelo autor do atentado de Roanoke, onde dois jornalistas foram assassinados a tiro durante um direto.

O debate sobre o controlo de armas foi, mais uma vez, relançado.

A Casa Branca reitera o pedido que vem fazendo ao Congresso para que aja de modo a que se institua um maior controlo de armas no país.

Hillary Clinton, a candidata democrata à presidência, pede medidas. “Temos de fazer alguma coisa sobre a violência armada, na América. Vou dedicar-me a isso. Muitas pessoas enfrentam-na e conhecem-na mas depois viram a cara porque é difícil”, reconhece Clinton.

Os republicanos têm manifestado, nas redes sociais, solidariedade para com os familiares das vítimas, como este “tweet” do candidato Jeb Bush, mas não fazem qualquer referência a uma possível mudança legislativa.

Há uns meses, o antigo governador da Florida participou no congresso da National Rifle Association, o mais importante lobista do setor.

“É a visão do mundo liberal progressista de Barack Obama, Hillary Clinton, Eric Holder e de todas as outras pessoas que querem tirar as armas das mãos dos cidadãos cumpridores da lei. Mas a segunda emenda é uma área onde a administração Obama embateu numa parede”, anunciou Jeb Bush.

A fácil proliferação de armas de fogo é um problema que Barack Obama não conseguiu resolver, durante os dois mandatos.

As últimas sondagens refletem que, pela primeira vez em duas décadas, 52% dos norte-americanos estão a favor de um controlo mais apertado da posse de armas de fogo.