Última hora

Última hora

Wes Craven: Morreu o rei do terror para adolescentes

O criador de "Pesadelo em Elm Street" e "Scream/Gritos" morreu em Los Angeles aos 76 anos.

Em leitura:

Wes Craven: Morreu o rei do terror para adolescentes

Tamanho do texto Aa Aa

Morreu aquele que era considerado o génio dos filmes de terror para adolescentes.

Point of view

O que me mete medo é o mesmo que mete medo ao público.

Freddy Krueger, o terrível vilão de Pesadelo em Elm Street, ficou órfão com a morte do realizador norte-americano Wes Craven, aos 76 anos.

Craven morreu em casa, em Los Angeles, vítima de um tumor cerebral.

Numa entrevista recente, Craven falava sobre aquela que era a matéria dos seus filmes: o medo: “O que me mete medo é o mesmo que mete medo ao público. Por isso falamos disso, brincamos com isso. São coisas que, na vida real, são muito sérias, mas no filme fazemos com que no final haja uma resolução e acabamos por controlar as coisas”.

Amigos em Portugal

Mário Dorminsky, fundador do Fantasporto, recorda o realizador:

“Era um homem simpático, com quem conversei várias vezes e mantinha uma relação de amizade há vários anos, apesar de ele nunca ter podido vir ao nosso festival. Projetámos toda a saga do Pesadelo em Elm Street, menos o sexto filme.

Wes Craven tinha uma capacidade de trabalho impressionante. A sua obra vai muito além dos filmes para adolescentes, um exemplo disso é Os olhos da montanha (The hills have eyes), realizado em 1977. Ele soube, sim, cativar o público adolescente, fazendo filmes que não eram, à partida, destinados a esse público, à exceção de Scream. Marcou a década de 80, uma década prodigiosa em termos de cinema fantástico, o que não é de espantar, já que apanhou o embalo dado pela década anterior, que tinha sido encabeçada por David Cronenberg e outros nomes”.

As homenagens choveram:

Robert Englund, que deu vida à personagem de Freddy Krueger, lembrou o amigo no Twitter:

Além do terror

Craven assinou o primeiro filme em 1972, A última casa à esquerda, isto depois de ter trabalhado na indústria da pornografia, sob pseudónimo.

Depois do sucesso da saga de “Pesadelo em Elm Street”, já nos anos 90, Craven reinventou o género com Scream/Gritos, que daria também origem a uma saga.

Fora do género fantástico, foi autor do musical Melodia do coração (2000), que valeu a Meryl Streep uma nomeação para o Óscar de Melhor Atriz.