Última hora

Última hora

Liga Portuguesa, J3: Benfica treme mas vence, Porto e Sporting cumprem

As "águias" receberam a vista do Moreirense, que não tinha ainda sequer um golo e marcou dois na Luz. Mas Rui Vitória apostou "as fichas todas" e foi feliz. Os "dragões" venceram o Estoril, mas Lopetegui ouviu assobios. Arouca marca passo e Sporting vence em Coimbra.

Em leitura:

Liga Portuguesa, J3: Benfica treme mas vence, Porto e Sporting cumprem

Tamanho do texto Aa Aa

As "águias" receberam a vista do Moreirense, que não tinha ainda sequer um golo e marcou dois na Luz. Mas Rui Vitória apostou "as fichas todas" e foi feliz. Os "dragões" venceram o Estoril, mas Lopetegui ouviu assobios. Arouca marca passo e Sporting vence em Coimbra.

O Benfica recebeu o Moreirense e foi a primeira equipa a sofrer golos pelos comandados de Miguel Leal. Os “cónegos” foram, aliás, a primeira equipa a rematar no jogo. Foi logo aos 5 minutos, após falha de Lisandro. Rafael Martins deu o aviso ao guarda-redes Júlio César.

Rui Vitória apostou no brasileiro Victor Andrade ao lado de Pizzi no meio-campo, com Samaris nas costas e Gaitan “à solta”. O argentino tentou golo de nota artística, aos 22 minutos, mas sem pontaria.

As “águias” sentiam dificuldade para criar perigo na área dos visitantes. Os rivais apostavam no contra-ataque e foram felizes. Mais uma vez uma intervenção pouco feliz de Lisandro. Victor Gomes recuperou e lançou-se no contra-ataque, no momento certo libertou em Rafael Martins, que assinou o primeiro golo do Moreirense no campeonato e gelou a Luz.

Aos 38 minutos, Jonas falhou por pouco o empate e, ao intervalo, as equipas desceram aos balneários sob um coro de assobios dos adeptos da casa. Para a segunda parte, Rui Vitória fez entrar Talisca e Gonçalo Guedes, deixando no banho Pizzi e Victor Andrade. Novo meio-campo.

Aos 57 minutos, viu-se Mitroglou. O grego obrigou Setafnovic a defesa apertada. Miguel Leal troca Iuri Medeiros por Ramon Cardozo. Aos 68 minutos, de novo Jonas a falhar o alvo. O desespero nas bancadas da Luz agravou-se quando Mitroglou, a cruzamento de Gaitán, acertou na trave. A bola não queria nada com a baliza do Moreirense.

Miguel Leal trocou de avançado (Rafael Martins por Boateng), Rui Vitória não tinha nada a perder e lançou o mais recente reforço, o avançado Raul Jimenéz, para o lugar do lateral Eliseu. Começou a í a felicidade do treinador encarnado. À primeira jogada, a cruzamento de Gaitán, o mexicano empatou com um excelente golpe de cabeça.

Logo de seguida, num remate estranho de Samaris à entrada da área, Stefanovic foi mal batido e o grego celebrou a reviravolta no marcador. Miguel Leal apostou em Alan Shon e, aos 84 minutos, voltou a gelar a Luz. Lançamento longo para a área, Boateng domina, Lisandro cai em cima do ganês, mas a bola sobra para Cardozo, que beneficia de posição irregular não assinalada para empatar de novo a partida.

Havia fora de jogo, mas também fica ideia de falta não assinalada para penálti de Lisandro sobre Boateng.

Ainda os “cónegos” festejam e já Jonas fazia as pazes com o golo. Mais uma vez a cruzamento de Gaitán, o brasileiro assinou o terceiro golo no campeonato e garantiu os 3 pontos ao Benfica. Rui Vitória foi feliz na aposta simultânea dos 3 avançados.


Ficha de jogo

Estádio da Luz, Lisboa (43.417 espetadores)
Árbitro: Jorge Ferreira (Braga)

Benfica:Júlio César; Nélson Semedo, Luisão, Lisandro Lopez e Eliseu (Raúl Jimenez, 73’); Samaris; Victor Andrade (Gonçalos Guedes, 46’), Pizzi (A, Talisca, 46’) e Gaitán; Mitroglou e Jonas.
Treinador: Rui Vitória.

Moreirense:Stefanovic; Sagna, André Micael, Danielson e Evaldo; Vitor Gomes, João Palhinha e Filipe Gonçalves (A, Alan Schons, 81’); Ernest Ohemeng (A), Rafael Martins (Boateng (70’, A) e Iuri Medeiros (Ramon Cardozo, 64’, A).
Treinador: Miguel Leal

Golos: R. Jimenez (75’), Samaris (76’) e Jonas (86’); Rafael Martins (29) e R. Cardozo (84’).



“Dragões” cumprem serviços mínimos


O FC Porto recebeu o Estoril, que vinha de uma vitória caseira sobre o Moreirense. Os “dragões” vinham de um empate no reduto do Marítimo e pressionados em mostrar uma atitude diferente aos adeptos. Para começar, Cissokho, que teve um erro de juvenil no Funchal, ficou na bancada, Martins Indi foi o lateralesquerdo. Brahimi foi o criativo “à solta”, com Aboubakar na frente, Tello e Varela nas faixas.

Logo aos 7 minutos, golo. Maxi Pereira – entrou “de caras” na equipa do FC Porto – lançou Brahimi e o argelino assistiu Aboubakar para o terceiro golo do camaronês no campeonato. As bancadas do Dragão empolgavam-se, mas logo a seguir Maxi Pereira viu o primeiro cartão amarelo do jogo.

Os anfitriões estavam confiantes e controlavam. A meio da primeira parte, o Estoril começou a aparecer. Aos 24 minutos, Diego Carlos falhou o empate por centímetros. Casillas é chamado a intervir à meia hora. Lopetegui trocou Varela por André André ainda antes do intervalo – o “Drogba da Caparica” esteve apagado.

Na segunda parte, os anfitriões continuaram a revelar dificuldades. Aos 53 minutos, Bruno César dá trabalho a Casillas. Logo a seguir, Gerso remata por cima da baliza do espanhol. Herrera substitui Imbula no FC Porto. Aos 63 minutos, livre direto para os “dragões” e Maicon assina o 2-0. O jogo entrou numa toada lenta e foi assim até ao apito final.


Ficha de jogo

Estádio do Dragão, Porto (40.609 espetadores)
Árbitro: Duarte Gomes (Lisboa)

FC Porto: Iker Casillas; Maxi Pereira (A), Maicon, Marcano e Martins Indi; Danilo e Imbula (Herrera, 54’); Varela (André André, 40’), Tello e Brahimi; Aboubakar (Osvaldo, 70’).
Treinador: Julen Lopetegui.

Estoril:Kieszek; Anderson Luís (A. Esiti, 81’), Yohan Tavares, Diego Carlos e Mano; Afonso Taira (A) e Babanco; Gerso Fernandes, Chaparro (Dieguinho, 88’) e Bruno César (Bilal, 71’); Bonatini.
Treinador: Fabiano Soares.

Golos: Aboubakar (6’) e Maicon (62’).



Sporting ganha dinâmica com Mané e Esgaio


Quatro dias após a polémica eliminação no “play-off” da Liga dos Campeões, Jorge Jesus mexeu no que tem sido o “11” habitual por opção e obrigação. DE visita a Coimbra, o treinador trocou o mais pausado Bryan Ruiz pela “gazela” Mané e o castigado João Pereira, expulso na receção ao Paços de Ferreira, abriu vaga à estreia de Ricardo Esgaio, que, curiosamente, na última época evoluiu na Académica.

O Sporting ganhou com as mexidas. Em especial, com a entrada de Mané na equipa. Após uma surpreendente entrada mais forte dos “estudantes”, logo aos 6 minutos, Mané, lançado por Adrien, abriu o marcador. Os “leões” empolgaram-se e, aos 14 minutos, João Mário, servido de bandeja por Carrillo na zona de penálti, atirou à figura do guarda-redes brasileiro Lee Oliveira.

A equipa de Jorge Jesus revela-se confiante, trocava bem a bola, criava espaços nas laterais. Aos 24 minutos, Carrillo lança Slimani, a bola ressalta num defesa e o argelino executa um perfeito chapéu a Lee para o 0-2.

O jogo parecia sentenciado, mas nem tudo o que parece é. Aos 33 minutos, Adrien corta um lance de Leandro Silva na área e o árbitro entende haver motivo para grande penalidade. Rabiola não dá hipóteses a Rui Patrício, reduz no primeiro remate à baliza dos visitantes e assina o primeiro golo dos “estudantes” no campeonato.

Aos 36 minutos aparece Esgaio a rematar na entrada da área da Académica. Lee defende com eficácia. Pouco depois, Teo Gutierrez desperdiça um grande passe de Adrien, falhando a receção na cara do guarda-redes adversário. Sobre os “45”, Slimani ganha lance dividido na área a João Real, é derrubado, mas o árbitro nada assinala. Na sequência, Jorge Jesus é expulso do banco por supostas palavras dirigidas ao quarto árbitro.

A segunda parte começa com Jorge Jesus na bancada e o presidente Bruno de Carvalho, que estava no banco, ao lado do treinador “leonino”. O primeiro remate pertenceu à Académica. Leandro Silva, na insistência a um livre que bateu na barreira, dispara forte para defesa apertada de Rui Patrício.

Aos 50 minutos, os anfitriões conquistam o primeiro pontapé de canto do jogo: sintomático! À procura dos primeiro pontos, José Viterbo lança Hugo Seco no jogo. Teo Gutierrez remata para defesa de Lee e é substituído por Bryan Ruiz. Mais uma exibição apagada do colombiano. A Académica aposta em Gonçalo Paciência para o ataque.

Aos 68 minutos, assistência de Carrillo, remate de Mané e, de costas e braços abertos, Fernando Alexandre corta a bola. O árbitro assinala penálti. Adrien engana Lee, mas acerta no poste pelo lado de fora. Jesus troca estranhamente Carrillo por Aquilani e “encolhe” a equipa no campo.

Aos 82 minutos, Fernando Alexandre agarra Slimani na área, Bruno Esteves assinala o terceiro penálti no jogo e mostra o segundo amarelo ao “estudante”. Desta vez, cabe a Aquilani marcar e o experiente italiano não perdoa. Quase ao cair do pano, Jesus ordena ainda a troca de Jefferson (tinha um amarelo) por Jonathan Silva.

O Sporting segurou a vantagem (1-3), regressa às vitórias na Liga e iguala o FC Porto e o Arouca na liderança, tem desvantagem nos golos face aos “dragões”, mas ultrapassa a equipa de Lito Vidigal.


Ficha de jogo

Estádio Cidade de Coimbra (12.903 espetadores)
Árbitro: Bruno Esteves (Setúbal)

Académica: Lee; Nii Plange (A); João Real, Ricardo Nascimento (A) e Emídio Rafael; Fernando Alexandre (AAV); Leandro Silva (A), Obiora (Hugo Seco, 60’) e Bouadla (Rafael Lopes, 78’); Rabiola (Gonçalo Paciência, 65’) e Ivanildo (A).
Treinador: José Viterbo.

Sporting:Rui Patrício; Ricardo Esgaio, Paulo Oliveira, Naldo e Jefferson (A, Jonathan, 87’); Adrien (A); Carrillo (Aquilani, 70’), João Mário e Carlos Mané; Teo Gutierrez (Bryan Ruiz, 64’) e Slimani.
Treinador: Jorge Jesus (expulso do banco aos 45’+1).

Golos: Rabiola (33’ gp); Carlos Mané (6’), Slimani (24’) e Aquilani (83’ gp).


Arouca e Setúbal marcam passo


No jogo que abriu a 4.a jornada, o Vitória de Setúbal, com o melhor ataque do campeonato, recebeu o Rio Ave. A equipa de Pedro Martins abriu o marcador já na segunda parte, por Yazalde. Os sadinos reagiram e deram a volta ao marcador, com um penálti de André Claro e mais um golo do sul-coreano Suk – os dois somam 3 golos cada, no campeonato.

No cair do pano, André Vilas Boas respondeu da melhor a um livre de Filipe Augusto, fez história (primeiro golo da carreira em 11 anos de I Liga) e impôs a divisão de pontos no Bonfim.


Melhores marcadores:

3 golos: Aboubakar (FC Porto), Jonas (Benfica), Hyun-jun Suk e André Claro (Vitória de Setúbal);
2 golos: Francisco Soares (Nacional), Luisinho (Boavista) e Vukcevic (Sp. Braga);
1 golo:Rabiola (Académica); Luís Alberto e Kaká (Tondela), João Mário, Adrien Silva, Carrillo, Carlos Mané, Slimani e Aquilani (Sporting), Carlos Martins, Gonçalo Brandão, Rúben Pinto, Sturgeon e miguel Rosa (Belenenses), Renan Bressan, Hélder Guedes, Yazalde e André Vilas Boas (Rio Ave), Hassan (Sp. Braga/ (1) Rio Ave), Maurides, Roberto, Nuno Coelho e Nuno Valente (Arouca), Mitroglou, Nélson Semedo, R. Jimenez e Samaris (Benfica), Afonso Figueiredo (Boavista), Dyego Sousa, Edgar Costa e Fransérgio (Marítimo), Francisco Soares e Tiquinho (Nacional), Joan Román, Pedro Santos, Crislan e Alan (Sp. Braga), Breitner e Élio Martins (U. Madeira), Costinha e Ruca (V. Setúbal), Roniel, Pelé e Bruno Moreira (P. Ferreira), Varela, Herrera e Maicon (FC Porto), Gerso e Bonatini (Estoril), Ricardo Valente (V. Guimarães), Rafael Martins e Ramon Cardozo (Moreirense).




No domingo à tarde, o Tondela recebeu o Nacional da Madeira e conseguiu a primeira vitória da história na I Liga portuguesa. Um golo do veterano brasileiro Kaká logo a abrir a segunda parte valeu os 3 pontos.

Líder à entrada para esta ronda, o surpreendente Arouca deslocou-se a Paços de Ferreira. Bruno Moreira abriu o marcador para os “castores” logo aos 4 minutos, Nuno Valente empatou ainda antes do intervalo e o marcador não mais se alterou. O Arouca foi ultrapassado pelo FC Porto e pelo Sporting, nos golos marcados.

O Sporting de Braga recebeu o Boavista e goleou. O montenegrino Vukcevic abriu o marcador aos 16 minutos e bisou aos 58. Crislan e Alan, de penálti, fixaram a goleada que permite aos “guerreiros” do Minho igualar o Benfica na tabela. As “panteras” sofreram a primeira derrota na Liga.

O Marítimo ameaçou surpreender o “europeu” Belenenses, no restelo, Fransérgio colocou os insulares a vencer na primeira parte, mas Miguel rosa emptou na segunda parte. No fecho da jornada, União da Madeira e Guimarães não foram além do “nulo” na pérola do Atlântico.

Jornada 03:

V. Setúbal – Rio Ave, 2-2
FC Porto – Estoril, 2-0
Benfica – Moreirense, 3-2
Tondela – Nacional, 1-0
P. Ferreira – Arouca, 1-1
Sp. Braga – Boavista, 4-0
Académica – Sporting, 1-3
Belenenses – Marítimo, 1-1
Un. Madeira – V. Guimarães, 0-0

Jornada 04:

Benfica – Belenenses (sexta-feira)
Arouca – FC Porto (sábado)
Estoril – Sp. Braga (domingo)
V. Guimarães — Tondela
Marítimo – V. Setúbal
Moreirense – Un. Madeira
Rio Ave – Sporting
Nacional – Académica
Boavista – P. Ferreira (segunda-feira)