Última hora

Última hora

Em leitura:

Michael Shannon na pele do "diabo" à caça de casas para os bancos


cinema

Michael Shannon na pele do "diabo" à caça de casas para os bancos

O ator norte-americano Michael Shannon, de 41 anos, passou pelo Festival de Cinema Americano de Deauville, em França, para apresentar “99 Homes” ao lado do respetivo realizador, Ramin Bahrani, de 40 anos e ascendência iraniana.

O enredo desenrola-se na Florida após a crise do chamado “subprime” ou créditos de risco, que começou exatamente nos Estados Unidos, em 2008. Famoso pelo papel de “homem-aranha”, Andrew Garfield interpreta “Denis Nash”, um jovem pai de família com dificuldade para pagar um empréstimo e que é despejado de casa por “Rick Carver” (Michael Shannon), um agente imobiliário que faz fortuna a desalojar pessoas a favor dos bancos.

Este podia ser o retrato de um de tantos dramas sociais vividos um pouco por todo o Mundo, mas acaba por ser uma história intensa. “Quando me predispus a fazer o filme, pensei que iria ser um drama social. Quando se ouve falar em ‘penhora’, pensa-se em algo triste e depressivo. Mas assim que cheguei à Florida, percebi que toda a gente tem uma arma, inúmeros esquemas e há corrupção. Acabou por tornar-se um filme de suspense. Uma história clássica de ‘gangsters’. Um conto ‘faustiano’, onde o personagem do Michael surge como um género de mentor e o do Andrew como o aprendiz”, explicou à euronews o realizador.

O enredo sofre um volta-face quando “Dennis”, expulso de casa, se instala num motel e anda à procura de trabalho. “Rick Carver” vai procura-lo e propõe-lhe “vender a alma ao diabo”, trabalhando para ele. “Existem muitas pessoas naquela região a batalhar neste momento. Algumas já há anos. Fico feliz por o Ramin ter feito este filme porque parece-me que este tipo de histórias não estava, de verdade, a ser contado. Pelo menos, não de uma forma dramática com que as pessoas se pudessem identificar. É esse o poder deste filme, para mim: mostrar o que realmente se passa”, destacou Michael Shannon.

Este assume-se como um dos primeiros filmes americanos que promete transportar-nos para os dramas da crise do chamado “subprime”, para o lado de quem tudo perdeu. Mas sem perder de vista quem muito ganhou. Ao lado de Garfield e Shannon, surge também Laura Dern. Mas é o diabólico agente imobiliário quem mais sobressai.

“Adoro o Michael. Para mim, ele está neste momento no ‘top-5’ dos melhores atores do mundo. Sempre quis trabalhar com ele. Nunca o tinha visto num papel destes, em que é o espertalhaço, o bonitão e tem todos aqueles diálogos. Queria-o num fato aprumado, bronzeado e encantador como o ‘Deus do Sol’ a descer sobre a Florida, isto é, ele é o diabo que nós amamos. Odiamo-lo, mas temos de o amar. Ele é corrupto, mas conseguimos entende-lo”, defendeu Ramin Bahrani.

“99 Homes” ou “99 casas”, numa tradução livre para português, chegou a ter estreia nas salas portuguesas marcada para abril, mas foi adiada. Depois de andar a passar há cerca de um ano por vários festivais por todo o mundo, a estreia mundial deste novo filme de Ramin Bahrani no circuito comercial está agora prevista para 25 de setembro.

Escolhas do editor

Artigo seguinte
Filmes sobre guerra no Afeganistão em destaque no Festival de Cinema de Veneza

cinema

Filmes sobre guerra no Afeganistão em destaque no Festival de Cinema de Veneza