Última hora

Última hora

Ai Weiwei e Anish Kapoor envergam cobertores para lembrar refugiados

Em leitura:

Ai Weiwei e Anish Kapoor envergam cobertores para lembrar refugiados

Tamanho do texto Aa Aa

Uma grande exposição das obras de Ai Weiwei abriu portas em Londres. O público pode ver algumas dos trabalhos mais importantes do artista dissidente

Uma grande exposição das obras de Ai Weiwei abriu portas em Londres.

Point of view

Queremos que as pessoas tomem consciência da situação e se tornem mais criativas e mais positivas. Os artistas também têm de desempenhar o seu papel. Os refugiados e as migrações fazem parte da história humana.

O público pode ver algumas dos trabalhos mais importantes do artista dissidente que tem denunciado a corrupção e a violação dos direitos humanos na China

O choque entre a cultura chinesa e o consumismo ocidental é uma das grandes temáticas que percorrem a obra de Ai Weiwei.

“Não quero fazer uma ligação simplista pelo facto de o pai dele ser um grande poeta mas há uma sensibilidade poética na obra do Ai Weiwei. A forma como ele trabalha a matéria como se se tratasse de uma transformação poética”, disse Tim Marlow, diretor artístico da Academia Real das Artes.

A liberdade e o espírito crítico de ai WeiWei valeram-lhe várias represálias da parte das autoridades chinesas. O artista esteve preso e fico sem passaporte durante mais de quatro anos. Desta vez, pode estar presente na inauguração em Londres.

“O que torna a exposição mais forte e comovente é o facto de ele poder viajar para vê-la. É a primeira vez que ele está presente, entre a centena de exposições que ele fez nos últimos cinco anos.”

Em Londres, Ai Weiwei cruzou-se com outro grande nome das artes plásticas contemporâneas Anish Kapoor.
Os dois artistas envergaram um cobertor para lembrar a necessidade de ajudar os refugiados.

“Queremos que as pessoas tomem consciência da situação e se tornem mais criativas e mais positivas e os artistas também têm de desempenhar o seu papel. Os refugiados e as migrações fazem parte da história humana desde o início”, frisou o artista chinês.

“Podemos dizer que de certo modo os artistas são refugiados. Estamos sempre na margem. Temos tendência a olhar para o que passa fora das situações habituais. Penso que é importante ser ativo, generoso e abrir as portas do nosso mundo aos menos fortunados”, disse o escultor britânico de origem indiana.

A exposição das obras de Ai Weiwei pode ser visitada até 13 de dezembro na Academia Real das Artes em Londres.