Última hora

Última hora

Francisco apela aos cubanos para ajudarem os mais frágeis mas "sem ideologias"

Foi no coração da revolução cubana, justamente chamado de Praça da Revolução, que muitos fiéis passaram a noite para viver este momento. O Papa

Em leitura:

Francisco apela aos cubanos para ajudarem os mais frágeis mas "sem ideologias"

Tamanho do texto Aa Aa

Foi no coração da revolução cubana, justamente chamado de Praça da Revolução, que muitos fiéis passaram a noite para viver este momento. O Papa Francisco tornou-se no terceiro Sumo Pontífice a visitar Cuba, aproximando-se do número recorde registado na homilia de um milhão de pessoas aquando da passagem de João Paulo II, em 1998.

O primeiro papa latino-americano homenageou na sua língua materna, o espanhol, os cubanos, declarando que é “um povo com o sentido da festa, da amizade e da beleza.” Perante personalidades como Cristina Kirchner, a presidente argentina, apelou aos cristãos para que “sirvam os mais frágeis” mas “sem ideologias.”

Uma outra mensagem do Santo Padre, que tem promovido a aproximação de Havana com Washington, teve a ver com as negociações entre o governo colombiano e as guerrilhas das FARC: para Francisco não há margem para falhar.

A missa foi pontuada por um episódio dissonante: três membros de um grupo dissidente foram detidos quando alegadamente se tentavam aproximar do cortejo, gritando a palavra “liberdade.”