Última hora

Última hora

Catalunha prepara-se para o possível primeiro dia do resto da sua vida

Terminou a campanha e a Catalunha parou um dia para refletir se quer ou não avançar para a independência até 2017. Isto porque é um cenário provável

Em leitura:

Catalunha prepara-se para o possível primeiro dia do resto da sua vida

Tamanho do texto Aa Aa

Terminou a campanha e a Catalunha parou um dia para refletir se quer ou não avançar para a independência até 2017. Isto porque é um cenário provável, caso a coligação independentista “Juntos Pelo Sim” vença as eleições regionais deste domingo. Esta plataforma, que integra o presidente do governo catalão Artur Mas, reúne partidos de todo o espetro político.

Do outro lado da barricada, o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, acena com as incógnitas da independência, afirmando que nada se sabe sobre o que vão os catalães fazer em relação à cidadania, às finanças, à integração europeia, e por aí fora.

Nas ruas de Barcelona encontrámos quem considere que “este é um processo necessário depois de tudo o que aconteceu nos últimos anos, porque pode levar a uma mudança para melhor.” Outros manifestam-se contra a secessão, como este homem chamado Emilio Sánchez, que diz “não querer separar-se de Espanha.” Veio para a Catalunha porque se casou com uma catalã. Toda a sua família é catalã. “O que é preciso é unidade”, afirma.

Com 7,5 milhões de habitantes, a Catalunha representa 16% da população espanhola e, economicamente, um quinto do seu PIB. Uma coisa é certa: todo o país estará muito atento a um escrutínio já considerado histórico.