Última hora

Última hora

Turquia acusa Rússia de violação do espaço aéreo, Moscovo admite "erro"

Turquia acusou a Rússia de ter violado o espaço aéreo turco no último fim de semana, numa altura em que a força aérea russa executa uma operação

Em leitura:

Turquia acusa Rússia de violação do espaço aéreo, Moscovo admite "erro"

Tamanho do texto Aa Aa

Turquia acusou a Rússia de ter violado o espaço aéreo turco no último fim de semana, numa altura em que a força aérea russa executa uma operação militar no norte da Síria, alegadamente em exclusivo contra posições do grupo Estado Islâmico (EI ou, na sigla inglesa, ISIL). De acordo com o primeiro-ministro turco Ahmet Davutoglu, Moscovo terá admitido o erro de navegação e garantido que tal não voltará a acontecer.

“O que recebemos esta manhã (segunda-feira) da Rússia é que terá sido um erro, que respeitam as fronteiras da Turquia e que tal não voltará a acontecer”, afirmou Davutoglu, explicando que “as regras de interceção aplicam-se a todos os aviões, sejam eles sírios, russos ou de outro lado qualquer”. “As forças armadas turcas estão instruídas de forma clara. As medidas necessárias poderão ser tomadas contra quem quer que viole as nossas fronteiras nem que seja apenas um pássaro”, reforçou o chefe de Governo.

(“Quem violar o nosso espaço aéreo, as nossas regras de interecção sãoi claras”)

O secretário de Defesa dos Estados Unidos revelou estar a recolher informações junto de Ancara sobre a alegada violação russa. Durante uma visita a Madrid, Espanha, Ash Carter reforçou ainda as críticas à interferência russa na Síria: “Ao agir com forças militares na Síria contra os grupos moderados, a Rússia agravou a guerra civil.”

As violações do espaço aéreo turco terão acontecido no sábado, por um bombardeiro, e no domingo, por um caça Mig-29. A Turquia representa o segundo maior exército da NATO (Tratado da Organização do Atlântico Norte) e também critica a intromissão russa na Síria em apoio do regime de Bashar al-Assad e à margem da aliança internacional liderada pelos Estados Unidos.

(“PM Davutoglu: A Rússia disse à turquia que a violação do espaço aéreo turco por jatos foi um ‘erro’”)

O responsável diplomático russo já terá sido contactato pelo homólogo turco, Feridun Sinirlioglu, mas ainda não se pronunciou publicamente sobre o caso. Numa conferência de imprensa em Moscovo, após um encontro com homólogos de Laos, Sergei Lavrov admitiu, no entanto, abrir um canal de comunicação com os Estados Unidos sobre as operações militares que a Rússia venha a realizar na Síria.

O responsável é citado ainda a admitir ter tido conhecimento de “uma declaração do primeiro-ministro iraquiano a manifestar interesse na ajuda da aviação russa na luta contra as posições dos terroristas no Iraque”. “Ele disse-o após os primeiros dias da nossa operação na Síria se terem provado eficazes”, alegou Lavrov, garantindo, porém, que, até agora, o Iraque não fez de forma oficial qualquer pedido a Moscovo para realizar raides aéreos contra o ISIL em território iraquiano.

O responsável diplomático russo terá dito ainda que o Kremlin estará aberto a encetar contactos com o Exército Livre da Síria, a principal força de oposição ao regime de Bashar al-Assad. Mas, ao mesmo tempo, Lavrov considerou este grupo como um “fantasma”.

“Onde é que eles estão? Continuam a ser um grupo fantasma, nada se sabe sobre eles. Estaremos prontos para encetar contactos se eles se mostrarem um grupo militar capaz de oposição patriótica constituída por sírios. Pedi a John Kerry [secretário de Estado norte-americano] para nos passar informação a localização deste Exército Livre da Síria e quem o comanda”, afirmou Lavrov, garantindo não ter qualquer informação “onde se encontra este grupo, como opera ou como operam as suas alegadas unidades da chamada oposição moderada.”



O Ministério da Defesa russo revelou, entretanto, esta segunda-feira vários vídeos da execução de alegados 25 raides aéreos no último fim de semana, que terão atingido pelo menos 9 alegadas estruturas do grupo Estado Islâmico.

Os alvos destes 25 ataques focaram-se nas províncias de Idlib, no norte da Síria, e de Homs, no centro.