Última hora

Última hora

Angola: Luaty e companheiros julgados em novembro

Os 17 ativistas, acusados de prepararem um golpe de Estado em Angola, entre eles Luaty Beirão, vão ser julgados entre 16 e 20 de novembro no no

Em leitura:

Angola: Luaty e companheiros julgados em novembro

Tamanho do texto Aa Aa

Os 17 ativistas, acusados de prepararem um golpe de Estado em Angola, entre eles Luaty Beirão, vão ser julgados entre 16 e 20 de novembro no no Tribunal Provincial de Luanda.

Os advogados de defesa foram notificados esta segunda-feira. A informação foi confirmada à Euronews por familiares dos reclusos.

Além do luso-angolano Luaty Beirão, sem comer há 30 dias, há outro ativista em greve de fome.

De acordo com o site Maka Angola, Albano Bingobingo pode estar em risco de vida. Menos mediático, o caso de Bingobingo pode ser mais grave.

Segundo o site do conhecido ativista dos direitos humanos, Rafael Marques de Morais, Bingobingo iniciou a greve de fome há 12 dias mas no sábado (17 de outubro) encontrava-se numa sala de detenção com cerca de uma centena de outros reclusos, apenas uma latrina comum e sem atenção médica.

A mulher de Luaty Beirão, Mónica Almeida, declarou no domingo à euronews que os 14 ativistas foram transferidos para cadeia-hospital de São Paulo, em Luanda.

Quanto a Luaty, continua internado na clínica privada, Girassol.

Personalidades portuguesas lançam petição

Um grupo de personalidades portuguesas lançou hoje uma petição exigindo que o Governo “tome uma posição e publicamente exija a imediata libertação” do rapper luso-angolano Luaty Beirão.

“O cantor e ativista político Henrique Luaty Beirão é angolano, mas é também um cidadão português ilegalmente detido no estrangeiro. Sabemos que está disposto a dar a vida por causas maiores, como a da liberdade e justiça. Também sabemos que a sua morte pode estar próxima, na sequência da sua longa greve de fome. É obrigação constitucional, ética e moral do Governo português não permitir que aconteça”, refere a carta aberta dirigida ao ministro dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete e ao embaixador português em Angola, João da Câmara.

A carta é assinada por escritores, cineastas, atores, deputados e líderes partidários, incluindo Catarina Martins, do Bloco de Esquerda e Rui Tavares, do partido Livre.

Diplomacia portuguesa desenvolve contactos

Também esta segunda-feira e de acordo com a rádio portuguesa TSF, ficou a saber-se que o Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal está a encetar contactos para conseguir um encontro a sós com o cidadão luso-angolano. Durante a semana passada o rapper recebeu a visita de alguns diplomatas da União Europeia e, em Lisboa, realizou-se um pequeno protesto.

Entre os 17 arguidos, estão as ativistas Rosa Conde e Laurinda Gouveia, que aguardam julgamento em liberdade.