Última hora

Última hora

EUA e combatentes peshmerga libertam 70 reféns do Estado Islâmico

Os EUA e os combatentes peshmerga curdos libertaram cerca de 70 reféns do EI, numa operação levada a cabo esta quinta-feira

Em leitura:

EUA e combatentes peshmerga libertam 70 reféns do Estado Islâmico

Tamanho do texto Aa Aa

Um membro da equipa de operações especiais do exército dos Estados Unidos morreu depois de alvejado durante uma operação de resgate levada a cabo com os aliados peshmerga (combatentes curdos) esta quinta-feira.

Point of view

Esta operação foi planeada depois de recebida a informação sobre a iminente execução em massa dos reféns

O objetivo da missão foi o de salvar cerca de setenta reféns do grupo islamita sunita Estado Islâmico (EI), mantidos em cativeiro numa prisão, situada a 7 quilómetros da cidade de Hawija, capital da província de Kirkuk, na região autónoma do Curdistão iraquiano (norte).

De acordo com informação avançada pelo Pentágono, esta é a primeira vítima mortal das forças norte-americanas em mais de um ano de confrontos com o EI.

“Esta operação foi planeada depois de recebida a informação sobre a iminente execução em massa dos reféns,” disse Peter Cook, porta-voz do Pentágono.

“Trata-se de mais um passo no nosso esforço para formar as forças iraquianas,” acrescentou.

Os Estados Unidos disseram também que a morte do soldado foi uma circunstância isolada e que tal não implica qualquer mudança nas táticas adotadas no terreno.

A missão foi levada a cabo a pedido do governo autónomo daquela região e contou com 5 helicópteros dos EUA, assim como com o apoio estratégico no terreno da parte de Washington.

Morreram também, durante a operação, 20 militantes do Estado Islâmico. Cinco jihadistas foram detidos.