Última hora

Última hora

Liga Portuguesa, J8: "11" do Sporting "atropela" (0-3) equipa do Benfica na Luz

Jorge Jesus voltou a vencer o ex-clube e desta vez no "ninho da águia". O FC Porto derrapou em casa com o Braga e caiu do "poleiro" da liderança

Em leitura:

Liga Portuguesa, J8: "11" do Sporting "atropela" (0-3) equipa do Benfica na Luz

Tamanho do texto Aa Aa

E ao segundo jogo de Jorge Jesus contra a ex-equipa, segunda vitória. Eficácia dos “leões” arrasou “águias” e vale liderança isolada. No Dragão, o Braga travou a equipa de Lopetegui.

Jogo de enorme expetativa no regresso ao Estádio da Luz de Jorge Jesus. Segundo duelo do agora treinador do Sporting contra o ex-clube, depois da vitória na Supertaça. Na ficha de jogo “leonina” apenas uma alteração face a esse primeiro jogo oficial: o ainda suspenso Carrillo, autor do golo na Supertaça, cedeu o lugar ao regressado William Carvalho, mas a equipa saiu a ganhar.

Não são apenas jogadores somos uma equipa não os 11 mas sim os 25!! Obrigado pelo o apoio 12 jogador!

Posted by William Carvalho on Domingo, 25 de Outubro de 2015

A “receita” de Jesus, baseada em jogadores experientes (João Pereira tem 31 anos, Teo e Ruiz, 30) parece ser a ideal para vencer as “águias” de Vitória. Com o médio defensivo, de 23 anos, é, porém, ainda melhor. Os leões chegaram ao intervalo com a vitória “no papo” e mais tarde, como “sobremesa”, saborearam ainda a liderança isolada.



Triunfos fora do Sporting
“por 3 ou mais” em dérbis:


1987: 0-3*;
1947/48: 1-4;
1941/42: 0-5**
1938/39: 1-4;
1936/37: 0-5;
(* Supertaça/ ** Campeonato de Lisboa)

Os 144 dérbis na Luz:


Vitórias do Benfica: 80 (286 golos);
Vitórias do Sporting: 32 (189 golos);
Empates: 32


Rui Vitória não pôde contar com o lesionado Nélson Semedo, mas face ao primeiro jogo houve ainda mais mexidas. Eliseu surgiu à esquerda, empurrando Sílvio para a direita. Luisão alinhou ao lado de Jardel, André Almeida no miolo, Gonçalo Guedes nos flancos e Raúl Jimenez ao lado de Jonas. Perante estádio cheio, o Benfca entrou bem, mas depressa entrou em depressão.

Aos 9 minutos, André Almeida erra e Adrien lança Téo Gutierrez. Na bola dividida com o guarda-redes Júio César, o colombiano foi feliz e abriu o marcador — 2.° golo do avançado na Liga e em duas jornadas consecutivas.

Benfica reagiu. Patrício afastou a punhos livre perigoso de Gaitán, mas o Sporting estava melhor, circulava a bola com maior segurança e a espreitar o ataque pela certa. Foi assim que dilatou a vantagem. Aos 21 minutos, com espaço, Jefferson cruzou da esquerda à medida de Slimani. Entre os centrais, o argelino nem saltou e cabeceou para o 6.° golo na Liga. Eficácia plena dos “leões.”

Sem extremos, e percebeu-se porquê, o Sporting fechou o jogo interior do Benfica, em especial o de Nico Gaitán, com a presença de João Mário e Ruiz. O argentino só era visto nas bolas paradas.

Jonas ainda teve um bom remate por cima, à meia hora. Mas aos 36 minutos ficou tudo resolvido. Nova perda de bola das “águias” e, no contra-ataque, Slimani rematou para boa defesa de Júlio César. Na recarga, Bryan Ruiz “assinou” o 0-3 — primeiro golo do costarriquenho no campeonato.

O jogou ficou nervoso, os cartões amarelos sucederam-se. Para a segunda parte, Vitória tirou o desnorteado Eliseu, mas foi comedido e apostou em Fejsa. O Benfica continuava sem “arte”, o Sporting controlava e quase voltou a marcar, aos 58 minutos, por Jefferson.

Lesionado, Fejsa cedeu o lugar a Pizzi — o sérvio só durou 20 minutos. Jimenez roubou uma bola a Naldo, na linha final, e valeu “são” Patrício aos “leões”.

Aos 78 minutos, finalmente, Rui Vitória aposta no ataque. Saiu Guedes, entrou o grego Mitroglou. Jesus trocou Adrien pelo italiano Aquilani, mais um “trintão” (31).

Resumo do Benfica — Sporting


Antes dos “90”, Jesus meteu um dos “miúdos”, Gelson Martins (20 anos), mas foi Luisão que quase aumentou a vantagem “leonina”. O capitão do Benfica atrasou mal e valeu a velocidade de Júlio César (36 anos) para evitar o “poker” do Sporting. Jesus voltou a derrotar o “seu” Benfica, os “leões” somaram 3 pontos, deixaram as “águias” a 8 (com menos um jogo) e mais tarde viriam a ficar isolados no topo da classificação.



Curiosidades:


- Em 2269 jogos no campeonato, Benfica passa a somar 300 derrotas (65 em casa, 235 fora) — a mais pesada, o célebre 7-1 em Alvalade;

- Há quase 5 anos que não jogavam tantos portugueses (10) num dérbi — desde a primeira época de Jesus (2009/10) que o Benfica não tinha 4 no “11”;

- Desde 1959/60, que o Benfica não sofria 3 golos na primeira parte em casa. Há 56 anos, perdia 1-3 com o Lusitano de Évora, mas deu a volta e ganhou 5-3;

- Ao 9.° jogo, primeira vitória de Jesus na Luz, na qualidade de visitante. Antes, perdeu pelo Amora (1), Felgueiras (1), Estrela da Amadora (2), Setúbal (1), Belenenses (2) e, a última pelo Braga (1), num jogo (1-0) com um golo mal validade e em que disse ganhar ao Benfica;

- Benfica não perdia em casa, na Liga portuguesa, há 55 jogos. A última derrota, era Jesus o treinador, foi diante do FC Porto (2011/12) e também sofreu 3 golos (2-3);





Ficha de jogo

Estádio da Luz, Lisboa (63.054 espetadores)
Árbitro: Carlos Xistra (Castelo Branco).

Benfica: Júlio César; Sílvio, Luisão, Jardel e Eliseu (Fejsa, A, Pizzi, 67’); Gonçalo Guedes (Mitroglou, 78’), Samaris (A), André Almeida e Gaitán (A); Jonas (A) e Raul Jimenéz.
Treinador: Rui Vitória.

Sporting: Rui Patrício; João Pereira, Paulo Oliveira, Naldo e Jefferson; João Mário, William (A), Adrien (A, Aquilani, 78’), Bryan Ruiz (A); Teo Gutierrez e Slimani (A, Gelson, 86’)).
Treinador: Jorge Jesus.

Golos: Téo Gutierrez (9’), Slimani (21’) e Bryan Ruiz (36’).


“Guerreiros” empatam FC Porto

Logo após o dérbi da Luz, deu-se o pontapé de saída da visita do Sporting de Braga ao Dragão. Sem o castigado Maxi Pereira (5 amarelos à 7.a jornada), Lopetegui promoveu o regresso de Cissokho e desviou Layún para a direita. Rúben Neves ficou no banco e Tello também surgiu no “11”.

Paulo Fonseca trocou de laterais, face à vitória sobre o Marselha na Liga Europa, e apostou em Stojiljkovic, no lugar de Hassan, ausente devido à morte do pai. Logo ao quarto de hora, Djavan saiu lesionado e Goiano regressou à lateral esquerda.

O FC Porto dominava, mas sentia muitas dificuldades face ao abrandamento imposto pelos visitantes. Após alguns remates sem direção, aos 40 minutos Tello isolou-se, mas o russo Kritciuk sau bem e defendeu. O intervalo chegou a “zeros.”

Na segunda parte, o desinspirado Brahimi, lesionado, cedeu o lugar a Corona. Logo depois, saiu Imbula e entrou Bueno. Os “dragões” procuravam mexer no jogo. Os “guerreiros” resistiam. Rúben Neves entrou para o derradeiro quarto de hora e o FC Porto pressionou.

Perto dos “90”, o guarda-redes russo do Braga esteve em foco, segurou o “nulo” e permitiu ao Braga tornar-se, este ano, no primeiro visitante imbatível no Dragão, onde perderam, por exemplo, Bayern Munique, de Guardiola (3-1), e Chelsea, de Mourinho (2-1). O empate dos “dragões” permite ao Sporting isolar-se na liderança da Liga.

Resumo do FC Porto — Sp. Braga




Ficha de jogo

Estádio Jdo Dragão, Porto (40.809 espetadores)
Árbitro: Artur Soares Dias (Porto).

FC Porto: Casillas; Layún, Marcano (A), Martins Indi e Cissokho (A, R. Neves, 76’); Danilo; Tello, Imbula (Bueno, 62’), André André e Brahimi (Corona, 58’); Aboubakar.
Treinador: Julen Lopetegui.

Sp. Braga: Kritsyuk (A); Baiano, Ricardo Ferreira (A), e Boly e Djavan (Goiano, 17’); Alan (Wilson, 83’), Vukcevic (A, Luiz Carlos, 67’), Mauro e Rafa Silva; Stojiljkovic e Rui Fonte.
Treinador: Paulo Fonseca.


“Castores” a subir

Depois do Sporting, o Paços de Ferreira foi a equipa que mais beneficiou com esta 8.a jornada. Os “castores” viajaram até ao Funchal, venceram (0-2) e igualaram os 14 pontos do Sporting de Braga. Os insulares acabaram apanhados pelos rivais da Choupana, Nacional, que abriram a ronda a empatar (0-0) em casa com o Boavista.

Resumo do Marítimo — Paços de Ferreira




Melhores marcadores:

7 golos: Jonas (Benfica);
6 golos: Slimani (Sporting);
5 golos: André Claro e Suk (V. Setúbal);
4 golos: Bonatini (Estoril), Corona e Aboubakar (FC Porto), e Dyego Sousa (Marítimo).



O ponto conquistado no Estoril permitiu ao Rio Ave destacar-se de Braga e Paços, e isolar-se no terceiro lugar, com 15 pontos. O Guimarães, de Sérgio Conceição, continua sem ganhar, mas já pontua. Os “conquistadores” receberam a Académica, começaram a ganhar, ficaram sem dois jogadores (expulsos) e acabaram por deixar os “estudantes” regressar a casa com o primeiro empate da época.

No domingo, o Setúbal foi a Moreira de Cónegos somar (0-2) a terceira vitória e saltou 3 posições, para o 6.° lugar, com mais um ponto que o Benfica, 8.°, com um jogo a menos (visita ao União da Madeira, da 7.a jornada).

O Tondela foi a Arouca conquistar mais um ponto, no 5.° empate desta ronda, e mantém-se acima da linha de água. A equipa de Lito Vidigal, por outro lado, consentiu o quarto empate consecutivo e está a um ponto do Benfica.

No jogo de encerramento da ronda, a armada lusitana de Ricardo Sá Pinto viu-se “grega” para vencer em casa o União da Madeira. No final de um jogo de oportunidades repartidas, aos 89 minutos, Tiago Caeiro marcou numa recarga e deu ao “europeu” Belenenses os 3 pontos, que lhe permitiram subir ao 10.° lugar. Foi o único triunfo de um anfitrião nesta ronda.

Resumo do Belenenses — União da Madeira


Jornada 8:

Nacional — Boavista, 0-0
Marítimo — P. Ferreira, 0-2
Estoril — Rio Ave, 2-2
V. Guimarães — Académica, 1-1
Arouca — Tondela, 1-1
Moreirense — V. Setúbal, 0-2
Benfica — Sporting, 0-3
FC Porto — Sp. Braga, 0-0
Belenenses — Un. Madeira, 1-0

Jornada 9:

Tondela — Benfica (30/out)
Sp. Braga — Belenenses (31/out)
Un. Madeira — FC Porto
Sporting — Estoril
Académica — Moreirense (01/nov)
V. Setúbal — Arouca
Rio Ave — Nacional
Boavista — Nacional
Boavista — Marítimo
P. Ferreira — V. Guimarães (02/nov)