Última hora

Última hora

Turquia: manifestantes insurgem-se contra assalto policial contra empresa de comunicação

Na Turquia, manifestantes desceram às ruas de Istambul esta quarta-feira para protestarem contra o assalto das forças policiais contra a sede de uma

Em leitura:

Turquia: manifestantes insurgem-se contra assalto policial contra empresa de comunicação

Tamanho do texto Aa Aa

Na Turquia, manifestantes desceram às ruas de Istambul esta quarta-feira para protestarem contra o assalto das forças policiais contra a sede de uma empresa de comunicação com ligações a uma figura crítica do executivo.

Point of view

""Há muito tempo que enfrentamos práticas ilegais e inconstitucionais que não se baseiam nas nossas leis ou na lei internacional" - Selahattin Demirtas, HDP"

O ataque teve lugar durante a manhã.
O governo afirma que está apenas a cumprir uma ordem judicial que determina a investigação das relações entre a empresa e o movimento liderado por Fethullah Gulen, um clérigo islâmico moderado baseado nos Estados Unidos.

“Estou aqui devido à censura da imprensa e à situação em que nos encontramos. E estou aqui em nome da democracia, porquê esta crueldade contra a imprensa?”, afirma uma das participantes na manifestação.

A operação policial faz parte de um processo em curso desde dezembro de 2013 contra várias figuras governamentais acusadas de corrupção e próximas do Presidente Recep Tayyip Erdogan.

O partido pró-curdo HDP não poupou críticas ao governo. O vice-presidente do partido, Selahattin Demirtas, adiantou que “de uma forma ou outra, há muito tempo que enfrentamos práticas ilegais e inconstitucionais que não se baseiam nas nossas leis ou na lei internacional. Dessa perspetiva, o ataque não constitui uma surpresa. Isto contudo foi um ato inaceitável”.

Este domingo os turcos regressam às urnas para votarem em eleições parlamentares depois do partido no poder, AKP, ter perdido a maioria no escrutínio realizado a 7 de junho passado.

Este mês, um ataque terrorista em Ancara atribuído ao grupo Estado Islâmico matou 102 pessoas.