Última hora

Última hora

Edil de Roma embaraça primeiro-ministro e o Papa ao rejeitar demitir-se

O presidente da câmara de Roma volta atrás na decisão de demitir-se depois de um escândalo de faturas falsas. Ignazio Marino, um dos políticos mais

Em leitura:

Edil de Roma embaraça primeiro-ministro e o Papa ao rejeitar demitir-se

Tamanho do texto Aa Aa

O presidente da câmara de Roma volta atrás na decisão de demitir-se depois de um escândalo de faturas falsas.

Ignazio Marino, um dos políticos mais impopulares do país, afirma que pretende defender-se das acusações, sem abandonar o cargo.

O anúncio foi feito a poucos dias de expirar o prazo de 20 dias para confirmar a demissão.

“Há um lugar que é sagrado para a democracia e que é o hemiciclo de um parlamento ou de um Conselho Municipal. Estou pronto a ser confrontado com a minha maioria, mas apenas num lugar de democracia”, afirmou Marino.

A situação embaraça a sua formação, o Partido Democrático do primeiro-ministro Matteo Renzi, que o tinha forçado a apresentar a demissão no dia 12.

Marino é acusado de ter utilizado o cartão de crédito do município para pagar despesas pessoais.

O anúncio de que pretende prosseguir o mandato, iniciado em 2013, levou já seis vereadores do partido a abandonarem o cargo, quando 19 deputados poderão seguir-se, para tentar forçar a dissolução do executivo camarário

A crise ocorre a um mês da capital italiana acolher as celebrações do ano santo lançadas pelo Papa Francisco.