Última hora

Última hora

Ser curdo na Turquia: A vida e a morte em período eleitoral

As eleições turcas instalaram ainda mais tensões no seio da comunidade curda. No sudeste do país, a população vive ao ritmo do conflito entre Ancara e os rebeldes curdos.

Em leitura:

Ser curdo na Turquia: A vida e a morte em período eleitoral

Tamanho do texto Aa Aa

Estamos no sudeste da Turquia. Do outro lado das montanhas, é o Iraque. Este é o caminho mais utilizado pelo contrabando local, a atividade que movimenta mais dinheiro na região. Chamam-lhe também de “comércio fronteiriço”, um nome que atenua as implicações daquele que para muitos é o único trabalho possível nas redondezas. A milenar criação de gado tornou-se impraticável devido à presença de minas que ficaram do conflito entre o exército turco e os separatistas curdos nos anos 90.

Point of view

Há blindados a passar nas ruas, ao nosso lado. E em cima deles estão polícias armados, com a mão no gatilho.

“Este é o caminho que fazemos para chegar ao Iraque. É longe. Às vezes, as mulas escorregam pelas escarpas abaixo e morrem. Mas continuamos a ir na mesma, carregamos a mercadoria e voltamos. Há aviões que nos andam a vigiar. Às vezes, largam bombas lacrimógeneas e chegam a disparar sobre nós, matam as nossas mulas. Mas não temos outro remédio senão ir”, conta-nos um habitante local.

Nas aldeias da região, os militares costumam fechar os olhos ao contrabando. Mas não aqui. Estamos em Uludere ou Roboski, o nome curdo de uma localidade que se tornou conhecida pelas piores razões. Em 2011, 34 habitantes foram mortos num bombardeamento dos F-16 da Força Aérea turca. Eram contrabandistas que atravessavam a fronteira. As famílias continuam a pedir a abertura de um processo. Mas ainda nada avançou. Segundo Wahid Encu, um dos responsáveis da associação de familiares criada após o ataque, as autoridades turcas propõem pagar indemnizações em troco do silêncio.

“É dinheiro que está manchado de sangue, não o vamos aceitar. Vamos lutar para que o processo ande para a frente. Por isso é que o Estado nos está a pressionar. Houve detenções, há pessoas na cadeia. Porquê? Porque querem calar-nos”, afirma.

Esta província tem o nome de Sirnak. A população, maioritariamente curda, é confrontada há anos com o braço de ferro entre o exército turco e o PKK, o movimento separatista curdo que foi interditado por Ancara. Em 2013, houve um cessar-fogo entre ambas as partes. Mas as eleições do passado mês de junho despedaçaram as tréguas.

Na capital da província, com o mesmo nome – Sirnak -, têm-se sucedido confrontos nas ruas. Marcámos encontro com Leyla Birlik, deputada do HDP, o principal partido pró-curdo que conseguiu tirar a maioria absoluta ao AKP, o partido do presidente Recep Tayyip Erdogan, no último escrutínio. Desde então, afirma Leyla, o Estado exprime-se somente através das armas em Sirnak.

No início de outubro, o cunhado de Leyla foi executado por polícias, na sequência de mais uma vaga de embates entre as autoridades e os militantes separatistas curdos. A imagem do cadáver arrastado por um blindado ao longo das ruas de Sirnak foi amplamente difundida nas redes sociais.

Para Leyla, “o problema do AKP é o sucesso que alcançámos. E para o tentar arrasar, as forças policiais intensificaram a violência depois das eleições de 7 de junho. Sob todas as formas: detenções, bombardeamentos das montanhas do Curdistão… Estamos todos a ser atacados – os militantes do HDP e todas as correntes políticas curdas que lutam pela liberdade. Aquilo que fizeram ao meu cunhado não foi inédito. Os filhos do povo curdo já são preparados para o pior, já viram decapitações. São coisas a que já assistimos. O que acontece, neste momento, é que o resto do mundo começa a ter noção do que se passa. E são as próprias forças de segurança que gravam as imagens que são difundidas.”

Em Sirnak, não é difícil encontrar relatos que ilustram formas de pressão diferentes. Na administração pública, por exemplo. Uma funcionária turca decidiu falar connosco mas sob anonimato, uma vez que a lei impede que os funcionários públicos falem aos media: “A partir das 5 da tarde, não se pode sair à rua. Não se pode fazer nada. Porquê? Porque há blindados a passar nas ruas, ao nosso lado. E em cima deles estão polícias armados, com a mão no gatilho. As pessoas acham que, a qualquer momento, pode haver um incidente e serem abatidas. A ideia que eles passam é que podem fazer o que lhes apetece, sem que ninguém possa reagir.”

A cerca de 50 quilómetros situa-se Cizre, um dos bastiões do Movimento da Juventude Patriótica Revolucionária (YDG-H), próximo do PKK. Os rebeldes ergueram barricadas em vários pontos da cidade para tentar bloquear o acesso do exército. As autoridades impuseram o recolher obrigatório no início de setembro. Houve confrontos que fizeram 21 mortos e deixaram inúmeras ruas em ruínas#. “Havia atiradores nos telhados. Houve pessoas abatidas à porta de casa, algumas mesmo já dentro de casa”, descreve Emirhan Uysal, de uma associação de direitos humanos.

Numa outra parte da cidade, fomos ao encontro de um grupo de jovens rebeldes. Dizem que estão preparados para a guerrilha urbana e que montam guarda, dia e noite, para proteger os habitantes locais. Afirmam também que não vão baixar as armas enquanto não houver novas negociações de paz. “Eles atacam-nos com bombas, com tanques. Nós temos de nos proteger, de proteger o nosso povo. Queremos a paz, não queremos a guerra. Somos jovens, queremos um futuro. Pedimos ao Estado que pare de uma vez por todas de nos pressionar”, diz um deles.

Bahram mostra-nos os buracos das balas no portão da sua casa. Um dos disparos atingiu a sua irmã de apenas dez anos. Como a cidade se encontrava sitiada, as ambulâncias não conseguiram chegar ao local. Durante alguns dias, o corpo da criança foi conservado numa arca frigorífica. Bahram explica que “não havia maneira de a enterrar, eles disparavam sobre qualquer pessoa que saísse à rua. É muito triste não ver senão a morte, dum lado e do outro. Chega de mortos, chega de derramar sangue. Chega de ver as mães a chorarem os seus filhos. A minha irmã foi a oitava pessoa da minha família a ser morta em confrontos. Outros ficaram mutilados. E mesmo assim, eu não acho que o conflito armado seja a solução. Precisamos de paz.”