Última hora

Última hora

Síria: Ataques russos não poupam hospitais nem pessoal médico

Enquanto a diplomacia discute o conflito sírio, as bombas continuam a cair sobre o país. Desde setembro que o bombardeio russo apoia as operações

Em leitura:

Síria: Ataques russos não poupam hospitais nem pessoal médico

Tamanho do texto Aa Aa

Enquanto a diplomacia discute o conflito sírio, as bombas continuam a cair sobre o país. Desde setembro que o bombardeio russo apoia as operações terrestres do exército sírio, que, por sua vez, é apoiado pela milícia xiita libanesa e grupo guerrilheiro iraniano Hibulá. Estes ataques já mataram pelo menos 595 pessoas, de acordo com a contagem divulgado hoje pela o Observatório Sírio para os Direitos Humanos. Entre as vítimas estão pelo menos 185 civis, que incluem 48 crianças e 46 mulheres.

Ataques aéreos russos também mataram 131 membros do Estado Islâmico (EI) grupo terrorista e 279 combatentes das facções rebeldes e o Nusra Frontal, ramo sírio da Al Qaeda.

Os aviões têm como alvo áreas do norte das províncias de Hama e Homs (centro da Síria) e Idleb e Aleppo e Latakia, na costa do Mediterrâneo, entre outros.

Nos Estados Unidos os estudantes de medicina e profissionais de Nova Iorque protestaam contra as mortes de trabalhadores de saúde no conflito sírio.

Na semana passada, a Sociedade Sírio-American Medical (SAMS), que opera na Síria e apoia centros médicos, havia relatado nove ataques da aviação russa a cinco hospitais e centros de saúde em áreas mantidas pelos rebeldes na Síria, incluindo um que causou duas mortes entre pessoal médico e pelo menos dez entre os civis em Sermine, província de Idleb.

“Os profissionais de saúde, hospitais, ambulâncias tornaram-se alvo de ataques o que significa que comunidades inteiras não têm acesso aos cuidados médicos.”

Pelo menos 35 pessoas, pacientes e pessoal médico, foram mortos e 72 ficaram feridas durante ataques aéreos sobre hospitais sírios, nas últimas semanas.