Última hora

Última hora

Israel e Cisjordânia vivem dia de violência

Só esta segunda-feira houve quatro ataques à faca em Israel e nos territórios palestinianos. Um homem foi morto a tiro.

Em leitura:

Israel e Cisjordânia vivem dia de violência

Tamanho do texto Aa Aa

Israel e os territórios palestinianos foram palco de novos episódios de violência, esta segunda-feira. Em Rishon Lezion, perto de Telavive, um homem esfaqueou uma idosa em plena rua. A cena foi gravada por uma câmara de videovigilância.

Point of view

Não há alternativa à solução de dois Estados. A única alternativa é a guerra contínua e ninguém pode manter uma guerra para sempre.

O autor da agressão, um jovem palestiniano, foi depois perseguido por quem passava na rua. Antes, o mesmo homem tinha cometido um duplo ataque num autocarro. Acabou por ser detido numa loja, onde quase foi linchado pela população, antes de ser levado pela polícia israelita.

Também esta segunda-feira, outro jovem palestiniano esfaqueou um israelita, noutra localidade perto de Telavive. A vítima ficou gravemente ferida e o agressor foi ferido a tiro pela polícia.

As manifestações antipalestinianas são agora mais comuns: Num ajuntamento, também em Rishon Lezion, um dos cartazes dizia “o sangue judeu não é barato”.

Agressor palestiniano morto a tiro

Na Cisjordânia, um homem tentou apunhalar um soldado israelita no posto de controlo de Al-Jalameh e foi morto a tiro pelos militares.

Este cenário tem-se repetido ao longo das últimas semanas. A onda de ataques à faca custou já a vida a 69 palestinianos ou árabes israelitas e nove israelitas judeus.

Os ataques têm sido condenados pelo presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmud Abbas, que não deixa de responsabilizar o governo de Israel. O ex-presidente e ex-primeiro-ministro israelita Shimon Peres lançou também um apelo à paz, com um recado para Benjamin Netanyahu: “Israel tem de implementar a política de dois Estados, para o seu próprio bem. Não há alternativa à solução de dois Estados. A única alternativa é a guerra contínua e ninguém pode manter uma guerra para sempre”.