Última hora

Última hora

Cinco perguntas sobre os ataques aéreos da Rússia na Síria

Os ataques aéreos matam civis sírios? Fiz essa pergunta aos oficiais na base, e como seria de esperar eles disseram que não há nenhuma prova para

Em leitura:

Cinco perguntas sobre os ataques aéreos da Rússia na Síria

Tamanho do texto Aa Aa


Os ataques aéreos matam civis sírios?

Fiz essa pergunta aos oficiais na base, e como seria de esperar eles disseram que não há nenhuma prova para acreditar nisso. No entanto, grupos de direitos humanos dizem que os ataques aéreos russos violam as leis de guerra porque visam não-combatentes, indiscriminadamente. Grupos de monitoramento, como a Rede Sírio de Direitos Humanos informa que o número de civis mortos desde o início dos ataques russos ultrapassa 250.

Human Rights Watch citou moradores locais na província de Homs que afirma que um ataque aéreo russo, em 15 de outubro matou 59 civis na aldeia de Ghantou.

O Kremlin, no entanto, rejeita todas as acusações. As bombas e mísseis estão na base aérea Hmeymim, na província de Latakia, na costa mediterrânea da Síria.

Os militares russos publicam frequentemente vídeos que supostamente mostram ataques aéreos precisos. Eles também afirmam que todos os alvos são verificados com fontes múltiplas. Ainda assim, seria duvidoso que mais de 4.000 ataques aéreos não fizeram oficialmente desde o final de setembro vítimas colaterais entre a população geral.

Existem baixas entre as tropas russas?

A operação militar da Rússia, até agora, teve apenas uma vítima oficialmente reconhecida entre as tropas, um jovem de 19 anos especialista técnico que terá cometido suicídio – uma versão em que os familiares não acreditam. O comando afirma que o militar tinha problemas pessoais, e não morreu devido a circunstâncias de serviços. O trabalho é muito para proporcionar conforto e apoio a centenas de pilotos, engenheiros, infantaria naval, forças militares especiais e outros militares localizados na costa mediterrânea da Síria .

Eu conversei com o psicólogo da base que disse que os militares estão a ficar cansadas e menos concentrados, após várias semanas de operação, de modo que ele está observá-los regularmente para garantir que eles recebem toda a ajuda necessária. No entanto, ele não tinha permissão para responder à minha pergunta sobre como a equipa em Latakia reagiu à explosão do avião de passageiros russo no Egito que matou todas as 224 pessoas a bordo, provavelmente em retaliação aos ataques aéreos de Moscovo na Síria.

O que está a fazer a Rússia na Síria?

Eu tinha permissão para visitar a base aérea Khmeimim no Aeroporto Internacional de Bassel al-Assad, em homenagem ao falecido irmão do atual presidente, que é a principal base aérea das Forças Aeroespaciais russas na região, desde 30 de setembro, quando começaram os raides. Três outras bases – Hama, Sharyat e Tiyas – estão a ser usadas por helicópteros.

O papel dos aviões de guerra russos é principalmente de apoio aéreo para ofensivas terrestres do exército sírio e milícias xiitas estrangeiros. A força aérea russa diz que estão a fazer reconhecimento ao terreno e recebem informações da oposição síria, do centro de inteligência em Bagdad e do exército sírio. A Rússia diz que não tem como alvo o Exército Sírio Livre e está pronta para fornecer apoio aéreo para ajudar as forças da oposição que estão a lutar contra o ISIL.

h3> Quem usa os aviões russos?

Verificar a origem de ataques aéreos pode ser difícil, pois o governo sírio também utiliza aviões de fabrico soviético. As forças aéreas sírias fazem, em média, mais de 30 missões por dia. Eles insistem que estão alvejar posições das milícias e não civis. No entanto organizações humanitárias como os Médicos Sem Fronteiras também acusam a Síria de uso indiscriminado de armas.

Há tropas russas em combate secreto no solo?

Não há nenhuma prova, mas muitos sugerem que a atividade militar russa na Síria vai além dos ataques aéreos, e que as tropas russas estão secretamente tomar parte em operações de combate com o exército sírio. Segundo alguns Bloggers que investigaram há mesmo selfies de militares russos fora das bases.
Quando perguntei aos oficiais na base de Latakia sobre isso, eles não negaram a autenticidade dos selfies mas disseram que esses soldados não estavam em unidades de combate – eles estavam em comboios de transporte de mercadorias, protegendo carga. O Kremlin disse que não há tropas russas em funções de combate na Síria, embora admita que há formadores e consultores que trabalham ao lado dos militares sírios e também forças que guadam as bases russas na Síria ocidental. Os líderes políticos parecem preocupados com eventuais vítimas entre as tropas que possam prejudicar o apoio da opinião pública a esta campanha como aconteceu durante a guerra soviética no Afeganistão. Um oficial de alto escalão disse: “Fomos colocados nesta base mas não queremos voltar à Rússia de caixão”.