Última hora

Última hora

Co-piloto russo sobrevivente afirma que turcos não emitiram avisos

Os caças turcos não enviaram qualquer aviso aos pilotos russos antes de abaterem o aparelho que alegadamente estava em violação do espaço aéreo turco

Em leitura:

Co-piloto russo sobrevivente afirma que turcos não emitiram avisos

Tamanho do texto Aa Aa

Os caças turcos não enviaram qualquer aviso aos pilotos russos antes de abaterem o aparelho que alegadamente estava em violação do espaço aéreo turco junto à fronteira com a Síria. São afirmações atribuídas ao co-piloto russo, Konstantin Mourakhtine, sobrevivente da queda do Su-24, numa entrevista a diferentes televisões exclusivamente russas e sem permitir que lhe filme o rosto.

“ Não houve avisos. Não houve contacto via rádio, nem visualmente. Não houve contato algum. Isso é porque nós estávamos na nossa rota de combate, como de costume”.

Quando um jornalista lhe perguntou se ele entrou no espaço aéreo turco, o piloto disse “excluí-lo completamente, mesmo por um segundo.”

Guerra de palavras entre Moscovo e a Turquia ou tentativas de intoxicação a verdade é que do lado turco as palavras deste combatente turco-curdo são diferentes:

“O avião russo bombardeou-nos, em primeiro lugar, em seguida, entrou no espaço aéreo turco. Os aviões turcos dispararam após o espaço aéreo turco violado”.

Se o co-pilot Konstantin Mourakhtine foi resgatado por uma operação conjunta especial pelas forças sírias e russas, o segundo piloto do Su-24 não teve tanta sorte e foi morto quando desceu de pára-quedas.

Este incidente é o mais grave ocorrido entre a Rússia e a Turquia desde o início da intervenção militar russa na Síria há dois meses.