Última hora

Última hora

"Il papa della gente": a vida do papa Francisco durante os anos sombrios da ditadura militar argentina

Em leitura:

"Il papa della gente": a vida do papa Francisco durante os anos sombrios da ditadura militar argentina

Tamanho do texto Aa Aa

“Il papa della gente” retrata a vida do papa Francisco durante os anos sombrios da ditadura militar na Argentina, de 1976 a 1983. O filme estreia

“Il papa della gente” retrata a vida do papa Francisco durante os anos sombrios da ditadura militar na Argentina, de 1976 a 1983.

Point of view

Para um argentino, é difícil incarnar um homem da Igreja porque aconteceram muitas coisas no continente americano.

O filme estreia esta semana em Itália. Há também uma apresentação no Vaticano. “Il papa della gente” é realizado pelo cineasta italiano Daniele Luchetti.

“Ao vermos as dificuldades porque ele passou percebemos com ele amadureceu e cresceu. Trata-se de um homem que no final da vida teve a oportunidade de atingir o ponto mais alto e de concretizar o seu desejo de infância que era ajudar os outros, concretizar a sua vocação e ser útil ao máximo”, explicou o realizador.

Muitos antes de se tornar papa, Jorge Mario Bergoglio exerceu o sacerdócio na ordem dos jesuítas, durante os anos da repressão militar, quando centenas de opositores eram presos, torturados e assassinados nos chamados “voos da morte”.

“Se me pergunta o que significa para um ator argentino interpretar os anos duros da história do nosso país e a visão que uma pessoa tem dessa situação, posso fizer que a Igreja sempre foi posta em causa. Para um argentino, é difícil incarnar um homem da Igreja porque aconteceram muitas coisas no continente americano”, sublinhou o ator Rodrigo de la Serna.

O Daniel Lucchetti disse-me que não era importante identificar-se fisicamente com a personagem, o que importa é o sentimento interior. A partir daí, comecei a fazer pesquisa sobre a personagem do Bergoglio todos os dias”, contou o ator Sergio Hernandez.

Para a apresentação do filme no Vaticano, o papa Francisco decidiu convidar não apenas responsáveis religiosos mas também pessoas sem-abrigo e prisioneiros.

O filme deverá estrear em 40 países, no cinema e na televisão.