Última hora

Última hora

Cientistas alemães põem a funcionar máquina de fusão nuclear

Em leitura:

Cientistas alemães põem a funcionar máquina de fusão nuclear

Tamanho do texto Aa Aa

Na Alemanha, os cientistas acabam de pôr em funcionamento a maior máquina de fusão nuclear do mundo. O engenho chama-se Stellarator e foi

Na Alemanha, os cientistas acabam de pôr em funcionamento a maior máquina de fusão nuclear do mundo.

Point of view

Trata-se de ciência de antecipação. É como plantar árvores. Se não as plantamos agora, daqui a cem anos, não teremos árvores. É preciso antecipar.

O engenho chama-se Stellarator e foi desenvolvido pelo Instituto Max Planck de Física de Plasma, em Greifswald.

Ao contrário das centrais nucleares baseadas na fissão nuclear, o reator termonuclear baseia-se na fusão nuclear, libertando no processo apenas hélio, um gás inerte e inofensivo, e não resíduos perigosos.

“As centrais nucleares baseadas na fissão nuclear produzem lixo, lixo nuclear que tem de ser armazenado durante dezenas de milhares de anos. Com a fusão não temos esse problema”, afirmou Thomas Klinger, diretor científico do projeto.

Foram precisos dezasseis anos para conceber e construir a máquina e os cientistas nem sequer sabem quando ficará realmente operacional. Caso funcione bem, a máquina poderá ser a resposta a um sonho antigo da humanidade, criar uma fonte de energia inesgotável e limpa. Mas ainda vão ser precisos vários anos de trabalho para aperfeiçoar a técnica que permite a produção de elevadas quantidades de energia limpa.

“Trata-se de ciência de antecipação. É como plantar árvores. Se não as plantamos agora, daqui a cem anos, não teremos árvores. É preciso antecipar”, sublinhou o responsável.

Em França, uma equipa de cientistas de vários países está a desenvolver o Reator Experimental Termonuclear Internacional. A estrutura foi instalada em Cadarache, junto a Marselha.

A União Europeia a Rússia, a China, os Estados Unidos, a Coreia do Sul e o Japão integram este projeto colossal. O peso do reator será três vezes superior ao da Torre Eiffel, numa área sessenta vez maior que um campo de futebol.

Apesar das dificuldades e do custo do projeto, os cientistas afirmam que vale a pena investir na fusão nuclear por várias razões, nomeadamente por motivos de segurança. Contrariamente à fissão nuclear, a fusão nuclear pode ser interrompida rapidamente em caso de acidente.