Última hora

Última hora

COP21: Um acordo histórico mas imperfeito para os líderes internacionais

Os líderes internacionais saudaram o acordo obtido este sábado em Paris, para evitar um aquecimento global irreversível até ao final do século. Um

Em leitura:

COP21: Um acordo histórico mas imperfeito para os líderes internacionais

Tamanho do texto Aa Aa

Os líderes internacionais saudaram o acordo obtido este sábado em Paris, para evitar um aquecimento global irreversível até ao final do século.

Um entendimento firmado por mais de 190 países, que representa, “o início mais do que o fim de um combate” para o presidente francês, François Hollande, que anunciou esperar uma revisão das metas de emissões poluentes antes de 2020, data da entrada em vigor do acordo.

Nos Estados Unidos, Barack Obama, congratulou-se com a mensagem de união expressa na Cimeira.

“O acordo de Paris estabelece o enquadramento duradouro indispensável para resolver a crise climática. Este acordo representa a melhor oportunidade até hoje para salvar o único planeta que temos”.

Para o enviado especial da China para as mudanças climáticas, Xie Zhenhua, “é verdade que este acordo não é perfeito e que precisa de melhorias em algumas áreas. No entanto, isto não nos impede de realizar um novo passo histórico”.

Para o ministro do Ambiente indiano, Prakash Javadekar, “fazer concessões é normal durante umas negociações, é por isso que achamos que este acordo poderia ter sido mais ambicioso”.

Para o representante das Maldivas, um território diretamente ameaçado pela subida das águas, “trata-se de um acordo histórico embora seja importante recordar que vamos ser julgados pela história, não pelo que fizémos hoje, mas pelo que fizermos a partir de hoje, pela forma como as próximas gerações vão avaliar o acordo de Paris”.

O acordo deverá ser adotado oficialmente numa cerimónia agendada para 22 de Abril do próximo ano, na sede das Nações Unidas em Nova Iorque.

O acordo deverá entrar em vigor a partir de 2020 ou quando pelo menos 55 partes signatárias, que representem 55% das emissões poluentes globais, tenham ratificado o documento.