Última hora

Última hora

Gâmbia torna-se República Islâmica

Ex-colónia britânica em África, o país, com quase dois milhões de habitantes, 90% dos quais, muçulmanos, junta-se assim ao grupo das repúblicas islâmicas, como o Irão, o Paquistão ou o Afeganistão

Em leitura:

Gâmbia torna-se República Islâmica

Tamanho do texto Aa Aa

A Gâmbia tornou-se, este fim de semana, uma “República Islâmica”. O anúncio foi feito pelo presidente da ex-colónia britânica, Yahya Jammeh.

Point of view

O destino da Gâmbia está nas mãos de Alá, o todo-poderoso - Yahya Jammeh

“O destino da Gâmbia está nas mãos de Alá, o todo-poderoso. A partir de hoje a Gâmbia é uma República Islâmica”, afirmou, garantindo, contudo, que os direitos da minoria cristã residente no país serão respeitados, e que as mulheres não irão sofrer restrições ao nível do vestuário.

A Gâmbia, país africano com quase dois milhões de habitantes, 90% dos quais, muçulmanos, junta-se assim ao grupo das repúblicas islâmicas, como o Irão, o Paquistão ou o Afeganistão.

Com esta decisão, o país afasta-se cada vez mais do passado colonial. Em 2013, o presidente já retirara a Gâmbia da Commonwealth, justificando que se tratava de uma organização colonialista. Jammeh decidiu igualmente abandonar o inglês como língua oficial do país, embora essa medida não tenha tido efeitos práticos.

A Gâmbia tornou-se independente da Grã-Bretanha em 1965 e tornou-se uma república em 1970 sob a presidência de Dawda Jawara, derrubado em 1994 por um golpe de Estado militar, liderado por Yahya Jammeh.

O presidente da Gâmbia tem 50 anos, fez carreira militar e nasceu numa família de camponeses, cultivando uma imagem de crente muçulmano dotado de poderes místicos.

Em 2002 fez adotar uma emenda constitucional retirando a limitação de mandatos do presidente. Há 21 anos no poder, o seu regime é frequentemente criticado pelos defensores dos direitos humanos.