Última hora

Última hora

Estrasburgo: O caminho difícil da Frente Nacional

Em Estrasburgo, os franceses mobilizaram-se na segunda volta das eleições regionais para bloquear a Frente Nacional, mas nem todos os cidadãos estão

Em leitura:

Estrasburgo: O caminho difícil da Frente Nacional

Tamanho do texto Aa Aa

Em Estrasburgo, os franceses mobilizaram-se na segunda volta das eleições regionais para bloquear a Frente Nacional, mas nem todos os cidadãos estão convencidos com o resultado.

Se é certo que alguns eleitores se mostram contra as políticas propostas pela Frente Nacional, em muitos casos, o descrédito da classe política em geral parece ter ainda mais peso.

Na região de Alsácia-Champagne-Ardenne-Lorraine, o candidato da Frente Nacional conquistou 36% dos votos atrás do rival de centro-direita, Philippe Richert.

De acordo com o politólogo Philippe Breton, da Universidade de Estrasburgo, a extrema-direita continua a progredir na Europa porque o discurso é mais compreensível para os eleitores, numa altura em que existe uma crise social e de identidade profunda, em França e na Europa: “Propõem soluções bastante radicais, com bastante revolta, emocionais. Muitas vezes em temas em que outras forças políticas tentam compromissos, falam de nuances, porque a situação é complexa. Quando as coisas se tornam demasiado complexas para algumas pessoas, aqueles que apresentam soluções simples e radicais podem despertar algum tipo de interesse.”

O politólogo acrescenta: “Se a Europa fosse um pouco mais clara, mais operacional, mais política sobre a questão das fronteiras, seria, provavelmente, um dos meios políticos mais seguros para reduzir o radicalismo e a influência dos partidos que beneficia.”